A Empresa Nacional de Pesca Industrial (Peskwanza), localizada na cidade do Porto-Amboim, província do Cuanza Sul, está à beira da falência, por falta de meios financeiro, técnico e de infra-estruturas.
Segundo o director-adjunto da firma, Januário Raul João, que falava à imprensa após uma visita de constatação efectuada sábado pela ministra das Pescas e do Mar, Maria Antonieta Baptista, actualmente a empresa está sem embarcações, todas deterioraram-se.
A Peskwanza contava com 14 barcos, dos quais sete de arrasto com capacidade de 250 toneladas cada, cinco de mariscos diversos e o restante de cerco de 250 toneladas cada.
Disse que a empresa começou a decair no ano 2000, e hoje atravessa uma situação muito crítica do ponto de vista económico e financeiro, sem contudo, avançar o valor necessário para colmatar os problemas.
Os encargos administrativos e financeiros são suportados através do aluguer, a empresas privadas, das suas licenças de pesca, e que permite pagar salários aos 81 trabalhadores existentes, dos 400 que já teve.
A empresa necessita de túneis de congelação com capacidade de 15 toneladas, duas câmaras de conservação com capacidade de 150 toneladas, bombas de sucção de água salgada, para a lavagem do peixe e fábrica de gelo em escama entre outros.