Os avanços significativos que o município da Jamba, (315 quilómetros, a Leste da cidade do Lubango), Huíla, está a registar, vão permitir transformar a região numa plataforma logística forte, disse o administrador local, Miguel Cassela.

Miguel Cassela, que prestou a informação ao JE, naquele município, explicou que a rede viária com duas estradas nacionais (280 e 120), o Caminho-de-Ferro de Moçâmedes, com o ramal Dongo-Jamba e Carvalhais-Tchamutete, com previsão de ligação à rede ferroviária da Namíbia, os ganhos vão permitir que a região seja uma plataforma de logística forte.

O administrador da Jamba referiu ainda os aeroportos da Jamba e da comuna de Tchamutete e uma vez reactivada a exploração dos minérios de ferro e ouro, não há dúvida que este município irá conhecer avanços significativos para a região e do país em geral.

“Reconhecemos as acções do Executivo e do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na distribuição de bens e serviços para a melhoria das condições de vida das populações, através dos programas de combate à fome e à pobreza, bem como o programa de investimentos públicos (PIP)”, disse.

Crescimento assinalável
Miguel Cassela afirmou que apesar dos efeitos da guerra, ao longo dos treze anos de paz, pode se caracterizar o município da Jamba em franco crescimento, quer do ponto de vista de infra-estruturas económicas e sociais, como de crescimento demográfico. Referiu que recentemente, o governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, inaugurou importantes infra-estruturas.

Citou a abertura do sistema de captação, tratamento e distribuição de água na sede municipal, uma estação de tratamento de água e quatro fontenários na sede comunal do Dongo.

Miguel Cassela salientou ainda a abertura de 10 sistemas artesanais com painéis solares nas povoações das comunas do Dongo e da Jamba, uma escola de 20 salas de aula na sede municipal, uma de seis, na sede municipal da Jamba, e outra de seis salas na povoação do Mbeu, um centro comunitário infantil (CIC-CEC) e o novo edifício da administração municipal da Jamba.

Formação profissional
Adiantou que o instituto médio politécnico da Jamba está vocacionado para a formação de técnicos de geologia, minas, metalomecânica, energias renováveis, electricidade, topografia, informática e outros, que segundo ele, pressupõe ser uma grande oportunidade para os jovens poderem formar-se em diversas áreas e se habilitarem para o emprego, sobretudo quando iniciarem os projectos de exploração dos mineiros do ferro e do ouro nesta região.

Miguel Cassela augura que, para o sistema de captação, tratamento e distribuição de água, o Executivo prossiga a implementação da segunda fase do mesmo, para completar o atendimento às populações abrangidas.

O administrador municipal da Jamba anunciou que outros projectos estão em curso, tais como a construção e apetrechamento do posto de saúde e uma residência para técnicos na aldeia do Mupopo, 22 quilómetros da sede municipal.

Indicou ainda a construção e apetrechamento do posto de saúde e uma residência para técnicos na aldeia de Mutiapulo, (55 quilómetros a Norte da sede comunal de Cassinga/Tchamutete).

Citou ainda as obras de construção de uma escola de 3 salas de aula e uma residência para os professores na aldeia de Vihongue, reabilitação e ampliação da escola 417, com nove salas na sede comunal do Dongo, construção e apetrechamento de cinco casas sociais na povoação de Cassinga, comuna com o mesmo nome.

Miguel Cassela informou estar ainda em curso a construção de dez sistemas artesianos com painéis solares nos bairros e aldeias da comuna sede e da comuna de Cassinga, bem como a construção de vinte casas económicas dos 200 fogos habitacionais na sede municipal.

Habitação
Esclareceu que tem se acompanhado com satisfação as acções da administração municipal na identificação de seis reservas fundiárias, elaboração de um plano urbanístico, que visa a requalificação de alguns bairros, garantindo o crescimento ordenado e harmonioso da cidade da Jamba e das vilas do Dongo e Tchamutete.

“Com base nos planos urbanísticos, duas áreas de 74 e 330 hectares respectivamente estão devidamente loteadas”, disse.

Mais electricidade
O potencial hídrico do município da Jamba bem aproveitado, permite criar riqueza às populações e famílias camponesas da região, disse o administrador local.

O administrador comunal disse que a administração municipal junto da direcção provincial da agricultura na Huíla, está a criar um perímetro de água que visa irrigar 100 hectares de campos agrícolas, no município.

O perímetro irrigado que está a ser construído no quadro do programa integrado de desenvolvimento rural de combate à fome e à pobreza vai beneficiar igualmente famílias camponesas que vivem nos arredores da sede municipal da Jamba.

Produção agrícola
O administrador municipal da Jamba, Miguel Cassela, explicou que o canal de irrigação é a primeira experiência que está a ser desenvolvida pela administração municipal da Jamba, para diversificar a produção agrícola.

Miguel Cassela afirmou que o município da Jamba tem potenciais hídricos fortes com a existência do rio Coluí, Calonga com os seus afluentes. Disse que além dos rios Coluí e Calonga, no município da Jamba existem ainda outros afluentes para apoiar a actividade agrícola.

“A nível do município da Jamba estamos a construir um perímetro irrigado para começar a ensaiar a produção de hortícolas”, disse, acrescentando que o canal vai, numa primeira fase beneficiar 100 famílias que vão receber 10 hectares para cada a serem irrigados pela água proveniente do canal de irrigação que está a ser criado na sede municipal.

Miguel Cassela precisou que o que se pratica na Jamba é a produção de sequeiro, sobretudo milho, que espera sempre pelas chuvas para a sua maturação e a administração está a promover acções que visam sair dessa componente para habituar a população da Jamba a fazer cultura de renda. Daí, estão a ser gastos mais de 8 milhões de kwanzas para a criação do canal que vai permitir diversificar a produção agrícola, sobretudo de hortícolas, como batata, repolho, cenoura e cebola.

As obras do canal de irrigação começam no bairro Ngangula, arredores do município da Jamba e vão até 6 quilómetros de extensão. Miguel Cassela indicou que na sede municipal da Jamba são controlados 10 cooperativas e 50 associações de camponeses.
Esclareceu que parte desses camponeses, beneficiaram de crédito de campanha no valor de 14 milhões de kwanzas.

O administrador municipal da Jamba afirmou que dado o empenho dos camponeses, os beneficiários já estão a reembolsar com sucesso os valores recebidos no quadro do programa de crédito de campanha. A par da criação de um canal de irrigação na sede municipal da Jamba.