O Programa Integrado do Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PMIDRCP)destaca os progressos alcançados em termos de redução da pobreza em Angola, passando de 68 por cento em 2002 para 36,6 em 2015.
Segundo um relatório apresentado recentemente, em Luanda, pelo Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, os programas e projectos implementados à luz do Pmidrcp tiveram impacto significativo na redução do número de angolanos que se encontravam em situação de pobreza extrema.
A fonte indica que o Executivo angolano definiu como prioridade para o quinquénio 2018-2022 baixar o impacto da pobreza extrema de 36,6 por cento para 25, correspondendo a cerca de 3 milhões de cidadãos.
A prioridade para este programa revela o estudo, é impulsionar a inclusão produtiva de agregados familiares, com a criação de oportunidades nas zonas rurais nos domínios da agricultura, pescas, transformação local da produção, dinamização do comércio, reabilitação das vias de acesso, além da formação profissional.
O projecto prevê igualmente elevar o padrão de vida dos cidadãos em situação de pobreza extrema, através de transferências sociais e a melhoria da assistência técnica, aumento da produção e da produtividade, com a introdução de novas tecnologias.

Estratégia nacional
O Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza da resolução nº 9/04, de 4 de Junho, define formalmente uma Estratégia para o Combate à Pobreza (ECP).
O facto de haver menos recursos para o sector social, que reflecte necessariamente na diminuição da qualidade de vida de boa parte das famílias angolanas, obriga a redefinir os programas governamentais, de modo a executarmos políticas públicas que estejam de acordo com as
expectativas dos cidadãos.
A estratégia do Governo destaca ainda a actualização do diagnóstico à vulnerabilidade em Angola, propondo soluções exequíveis que começaram a ser implementadas
desde o ano passado.
Com a experiência obtida com a implementação do Pmidrcp, revela a fonte, o país avança para outro estágio, com realce para serviços mais próximos dos cidadãos e participação dos munícipes/cidadãos como partícipes activos do seu próprio acesso de desenvolvimento.
Os objectivos do programa destacam a eliminação da pobreza extrema, soluções e desenvolvimento local, bem como concluir o processo de reintegração dos 80.537 ex-militares, alargar o acesso das populações aos serviços sociais de base, reduzir o êxodo rural da juventude para as áreas urbanas, promover o acesso dos cidadãos aos factores de produção terra, capital, equipamentos e conhecimentos.