A necessidade de melhorar continuamente as cidades, para que ofereçam qualidade de vida aos habitantes e futuras gerações, é também uma das preocupações levantadas durante o Fórum Nacional Urbano.
Segundo uma fonte do Ministério do Ordenamento Territorial e Habitação e baseado nos acordos estabelecidos pela UN-Habitat, actualmente metade da população mundial vive nas cidades e as tendências mostram que esse número aumentará para dois terços, nas próximas gerações. Daí a necessidade de se encontrar estratégias adequadas, para proporcionar-se o acesso à urbanização inclusiva e sustentável, reduzir-se, de forma significativa, o número de pessoas afectadas por calamidades e melhorar a qualidade e sustentabilidade ambiental. De igual modo, procura-se proporcionar o acesso universal aos espaços públicos seguros e inclusivos, salvaguardar o património cultural, rumo ao desenvolvimento sustentável.

Classificação dos solos
O Ministério do Ordenamento do Território e Habitação defende uma contínua classificação dos solos, para que o país tenha um território ordenado e seja possível efectivar no país uma promoção do crescimento económico contínuo, inclusivo e protecção ambiental.
Esta medida será necessária, para que se saiba os fins para os quais estão destinados e o que servem, fundamentalmente para se saber se estão destinados para fins agrícolas, habitacionais, industriais e de uso misto. Para tal, disse, é preciso consultar os instrumentos de ordenamento do território nos governos provinciais e administrações locais.
O evento, que teve a duração de dois dias, contou com a participação de ministros, representações de governos provinciais e sociedade civil, e nele foram abordados temas como a nova agenda urbana e a reforma do Estado, política nacional do ordenamento do território, a terra como factor de inclusão social e habitação social nos municípios entre outros. AE