As obras de construção da I fase das infra-estruturas básicas do Pólo Industrial de Fútila, em Cabinda, que iniciam no próximo mês Setembro estão avaliadas em cerca de 6,9 mil milhões de kwanzas (72 milhões de dólares americanos), anunciou em entrevista ao JE, o coordenador do projecto, Peris de Amaral.

Segundo o responsável, o Ministério da Indústria já assinou o contrato de execução das obras da primeira fase, com a empresa que vai executar os trabalhos da etapa “A”, estando já aprovado o orçamento que será alocado por fases. Segundo ele, as obras começam em Setembro com a assinatura do contrato e do primeiro pagamento.

“O consórcio que se vai ocupar da execução das obras da primeira fase já está seleccionado, o Tribunal de Contas já deu a autorização para o início das obras, o primeiro pagamento já foi feito e estamos à espera da cabimentação para se concluir o pagamento e iniciar as obras em Setembro do ano em curso”, disse o responsável.

A primeira fase do Pólo Industrial de Fútila comporta uma área total de 112 hectares, que inicialmente compreendia um investimento de 3,4 mil milhões de kwanzas (36 milhões de dólares). O projecto compreende a construção de infra-estruturas capazes de albergar unidades industriais que produzirão materiais de construção para consumo interno e exportação.

Na etapa “A” do Pólo Industrial de Fútila vão ser erguidos espaços com condições técnicas para instalar investidores já identificados num total de 56 empresas; deste número, seis operam no campo petrolífero do Malongo.

Projecto
A infra-estrutura foi criada em 1996, numa aposta do Governo central e do local, que visa proporcionar a província de Cabinda, considerada a terra da madeira e do petróleo, ao desenvolvimento económico autónomo da exploração petrolífera. O pólo de Fútila visa ainda aumentar a produção industrial, a oferta interna de bens e serviços, bem como a substituição paulatina dos principais produtos importados pelos empresários locais.

Para melhor acompanhamento dos trabalhos do Pólo Industrial de Fútila, o Executivo angolano criou um gabinete técnico, com Despacho Presidencial nº 10 /07, de 21 de Maio, para coordenar as actividades da implementação da primeira fase do projecto.
Além da etapa “A”, o Pólo Industrial de Fútila abrangente também as etapas “B” e “C”, onde serão contempladas outras estruturas como escolas, hospitais, restaurantes, áreas sociais, construção de casas de baixa, média e alta renda.

Com o funcionamento do pólo de Fútila, a província de Cabinda vai dispor de um núcleo de transformação de produtos aproveitados a partir dos recursos naturais, o que vai permitir mais-valias para o crescimento económico das populações.  

Mais emprego
Todo o projecto vai criar mais de 14 mil empregos directos e indirectos na sua execução, o que contribuirá para a redução do desemprego e para o aumento de postos de trabalho na província de Cabinda.

A primeira fase do projecto, que compreende obras de infra--estruturas básicas, garantirá cerca de 2.000 empregos directos e indirectos, principalmente para os jovens que estão a terminar os cursos técnicos nos institutos politécnicos.

O Pólo Industrial de Fútila vai ser um dos maiores ganhos para a província de Cabinda, porque constituirá uma das premissas para se alcançar o equilíbrio social, por isso, a força de trabalho a ser recrutada para o projecto vai precisar de alguma especialização para o crescimento económico da região.

Após a sua conclusão, o pólo Industrial vai ser transformado numa Zona Económica Especial (ZEE), como a de Luanda, fazendo da mesma um corredor para o resto do continente africano, de modo a proporcionar ao empresário nacional melhores condições de funcionamento, na instalação de unidade fabris.

O projecto contará com infra-estruturas básicas, com realce para água, energia e telecomunicações.

O objectivo principal do Pólo  Industrial de Fútila é o aproveitamento do gás natural e do petróleo para se implantar projectos químicos e petroquímicos. O empreendimento terá outros tipos de indústria nas áreas ligeira, de serviços e de apoio à petrolífera.

Benefícios
Para o secretário provincial da indústria, Ndubo Paulo, o Pólo Industrial de Fútila vai trazer vários benefícios para a população local, como a criação de empregos. Segundo ele, com a implementação do projecto, o Estado também vai ter benefícios fiscais.

“A implementação da fase “A” vai trazer benefícios à população local, porque vai igualmente reduzir as importações para determinados produtos e colocar os produtos da região no mercado externo”, disse o responsável.

Tipos de indústrias
Na primeira fase do projecto, vão ser instaladas indústrias que aproveitarão os recursos naturais da província para a sua transformação local. Serão igualmente implementadas áreas de apoio aos serviços ligados à exploração petrolífera, instaladas indústrias transformadoras, áreas de apoio aos serviços petrolífero e de materiais de construção, com realce para fábricas de tijolos e telhas, de loiça sanitária, betão armado e de blocos de cimento.

O projecto contempla ainda áreas de armazenamento de madeira, serração, mobiliário, contraplacados, lojas, estaleiros e carpintaria.
O empreendimento industrial contará ainda com  indústrias de asfalto, aço, maquinaria diversa, produtos metálicos pesados, químicos, oxigénio, acetileno, metalo-mecânica e de tintas. A zona industrial vai ter também serviços de bens de consumo, unidades de utilidade pública, serviços de administração e bombeiros.