O grupo empresarial americano “Aeon of company Inc” e associados, manifestou a disponibilidade de infra-estruturar o Pólo de Desenvolvimento Industrial do Cunje, na província do Bié.
Durante o encontro de concertação de políticas de investimento, realizado, na passada sexta-feira, entre o grupo “Aeon”, governo do Bié e investidores locais, o vice-presidente da empresa, Elísio Garza, disse que, os investimentos para o Pólo Industrial do Cunje contam com fundos americanos.
Elísio Garza avançou que uma equipa técnica de investidores da “Aeon group of company Inc” identificou uma área com 1.800 hectares, onde se destinam a construção cerca de 40 industrias transformadoras, com prioridades para o sector da agricultura.
O representante da Aeon anunciou, também, apoios técnicos a investidores nacionais com projectos de candidaturas concluídos e que pretende investir no Pólo de Desenvolvimento do Cunje.

Parque industrial

O vice-governador cessante da província do Bié, para o sector Técnico e Infra-estruturas, José Tchatuvela, manifestou sentimento de orgulho pelo facto da região vir a beneficiar, nos próximos dias de um parque industrial.
José Tchatuvela disse que, a materialização do Pólo de Desenvolvimento Industrial do Cunje é um passo na continuação dos objectivos da diversificação da economia e tornar sustentável o sector produtivo da província.
O responsável afirma que o Pólo do Cunje oferece condições “extraordinárias para que se desenvolvam grandes projectos”.
José Tchatuvela garante que uma das condições é a facilidade de proporcionar o escoamento dos produtos quer por via ferroviária ou mesmo terrestre, para o litoral e Leste do país, dado a presença do Caminho-de-ferro de Benguela, que é uma infra-estrutura de interesse estratégico.

Promoção dos pólos

Por sua vez, o director-geral do Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola (IDIA), Dário Camate, afirmou que por via de investimentos público-privados vão se infra-estruturar cerca de 21 Pólos de Desenvolvimento Industrial a nível de todo o país.
Para o Pólo do Cunje, o director-geral do Idia definiu como um projecto interessante, pelo número elevado de candidaturas de investidores com ideias que visam promover a indústria a nível do Bié.
Dário Camate reafirmou apoio na componente de infra-estruturas aos industriais nacionais como energia eléctrica, água, rede viária e a gestão condominial elementos que se desejam
para um pólo industrial.
Disse ainda que a empresa “Aeon” desenha a possibilidade por via de financiamento americano, as empresas nacionais desenvolverem projectos.
Temos a oferecer um conjunto de oportunidades para sustentar investimentos dos industriais, desde que apresentam projectos devidamente estruturados para desenvolver a indústria local.