Dois pólos agrícolas vão começar a ser construídos, ainda este ano, nos municípios da Quibala, na província do Cuanza Sul e Cacuso (Malanje), num investimento de 1,108 milhões de dólares.
A informação foi avançada, recentemente, em Luanda, pelo represente da empresa indiana Mahindra Enginesrs Limited (MACED), Nara Yanair, durante a apresentação de um estudo virado para avaliar e actualizar os dados agrícolas, pecuárias e florestais.
O financiamento poderá ser obtido a partir de entidades privadas ou estatais. O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) é visto como um potencial na garantia do financiamento.
Nara Yanair afirmou que o projecto prevê gerar um milhão de postos de trabalho, bem como elaborar estudos de desenvolvimento da cadeia de valor, além de planos de negócios agro-pecuária.

Estudos
Para a implementação do estudo, cerca de 120 mil dólares foram aplicados pelo Executivo para a elaboração da consulta pública.
Numa primeira fase, o projecto vai abranger as localidades da Quibala e Cacuso para posteriormente estender-se para outras localidades do país.
A implementação do projecto terá a duração de cinco anos e vai permitir construir laboratórios de certificação de qualidade, casa de leilões de produtos agrícola, centros de treinamento e residências para os recursos humanos.
Na ocasião, o director Nacional da Agricultura, Manuel Dias, defendeu a necessidade de se incrementar a parceria público e privada, para que o sector alcance os objectivos preconizados.

Contribuição no PIB
Segundo a fonte, Agricultura, Pecuária e Sivilcultura contribuem com cerca de 12 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) e 42 do total de emprego, com as mulheres a fornecerem 70 da mão-de-obra, só para o segmento agrícola.
“O aumento da produção de carne, que atingiu uma fasquia de 177 por cento em 2018, se comparado com 2017, é um indicativo que galvaniza o sector produtivo agro-pecuário”, defendeu.
Por sua vez, o consultor do Ministério da Economia e do Planeamento, Eduardo Machado, adiantou que a Maced foi vencedora do concurso público, por ter apresentado elementos do segmento de engenharia, bem como uma proposta financeira baixa, se comparada às concorrentes.
Segundo acrescentou, a empresa indiana “vai avaliar e actualizar os dados agrícolas, pecuárias e florestais e fazer estudos de desenvolvimento da cadeia de valor, assim como proceder à elaboração de estudos complementares e de planos de negócios agro-pecuária em Angola”.