A partir deste mês será lançado o Concurso Público para que investidores privados possam construir, gerir e explorar o Pólo de Desenvolvimento Industrial do Lucala, no Cuanza Norte, projecto que abre um novo paradigma no processo da implantação destes projectos.
Em entrevista recente à RNA, o director-geral adjunto do Instituto de Desenvolvimento da Indústria de Angola (IDIA), Lourenço Texe, revelou que o Governo definiu um novo modelo, no quadro da implementação da rede nacional de pólos.
O processo do Concurso Público, disse, já está a ser finalizado para que os empresários possam concorrer para a implementação destes importantes projectos industriais, em cada província, cabendo ao Governo a instalação de infra-estruturas tais como água, energia eléctrica e estradas.
Referiu que o Pólo Industrial do Lucala será o primeiro, no leque de nove projectos a serem lançados numa primeira fase, na vertente Concurso Público, sendo que o Executivo angolano irá manter a sua estratégia de construir pelo menos um Pólo Industrial em cada província.
O Ministério da Indústria desenvolverá em simultâneo, um trabalho de promoção para investidores nacionais e estrangeiros, com o objectivo de ajudar a desenvolver estes projectos.
“Em vez de ser o Estado a construir as infra-estruturas que compõem o Pólo Industrial, o Estado só terá a responsabilidade de colocar estradas, luz e energia eléctrica, em determinado ponto e depois, todo o resto vai ser feito pelo sector privado”, anunciou, depois de assegurar que os investidores vão ter a “responsabilidade de conceder os espaços existentes no pólo para outros industriais”.

Industrialização do país
A política da industrialização do país passa pelo fomento e implementação do parque rural, com a concepção de créditos para as pequenas iniciativas.
Para o quinquénio 2018/2022, o Governo se propõe desenvolver acções que visam fomentar o alargamento da base produtiva da indústria transformadora.
Com este propósito prevê-se a implementação de 50 parques industriais, através do Programa de Fomento da Indústria Rural (PROFIR).
O objectivo é alavancar a actividade económica dos municípios, tendo em conta o novo contexto macroeconómico. O projecto contempla a construção do parque de Maquela do Zombo, na província do Uíge, Quibaxe (Bengo), Waco Kungo (Cuanza-Sul), Andulo (Bié), Calenga (Huambo), Catchiungo (Huambo) e Quibala (Cuanza-Sul).
O Profir prevê para este ano um investimento estimado em mais de 2, 9 mil milhões de kwanzas.
Segundo um documento do Ministério da Indústria, para assegurar a continuidade do programa encontra-se já aprovado através do Orçamento Geral do Estado de 2018, o montante de cerca de 2,5 mil milhões de kwanzas.
A execução do Profir encontra-se enquadrada ao nível do OGE, tendo-lhe sido aprovado desde 2015 até agora o montante orçamental de 892 milhões de kwanzas. Por via das limitações orçamentais existentes ao nível do OGE, a execução do programa tem vindo a ser co-financiada pelo Fundo do Projecto Coca-Cola, tendo o mesmo alocado até 2017, um total de 1, 8 milhões.
Com estas iniciativas prevê-se como meta garantir a cobertura das necessidades domésticas do sabão de 31 por cento para 65, açúcar de 19 para 64, farinha de milho de 13 para 44, farinha de trigo de zero para 64, leite pasteurizado de 10 para 43, massa alimentar de zero para 73, transformados de carne de 4 para 13 por cento.