O melhoramento da gestão e do desempenho da actividade da empresa portuária de Cabinda é uma das prioridades para os próximos três anos. De acordo com o presidente do conselho de administração daquela instituição,  Manuel Nazareth Neto, o plano estratégico do Porto de Cabinda passa por tornar a empresa técnica e operacionalmente eficiente, com vista a melhorar o sistema de gestão financeiro, revitalizar a organização interna e a gestão dos recursos humanos.

Por seu turno, o director-geral da Orei, empresa de consultoria, Teles Feio, afirmou que a previsão é tornar o porto numa plataforma de negócios internacional, com vista a promover o bem-estar social, económico e ambiental da província e do país.

Actualmente, o Porto de Cabinda conta com cerca de 410 trabalhadores e a meta é atingir as mil e 200 toneladas/ano de carga e  ultrapassar a movimentação de 500 navios até 2015.

A apresentação pública do plano estratégico do Porto de Cabinda para o período 2013/2015, e o seu “master plan” (plano de ordenamento da área de jurisdição) foi enquadrada nas actividades do fórum empresarial, que encerrou esta segunda-feira.

À margem do fórum empresarial, o ministro dos Transportes, Augusto Tomás, dissertou sobre “as infra-estruturas de transportes e o desenvolvimento económico e social de Cabinda”, cujo  objectivo centrou-se nos projectos inseridos no programa nacional com incidência na província de Cabinda, nos subsectores marítimo e portuário, rodoviário e áereo.

Acompanhado da governadora provincial, Aldina Matilde da Lomba, o ministro dos Transportes visitou demoradamente o recinto da ExpoCabinda 2013 – Feira Internacional de Cabinda.

Augusto Tomás deslocou-se a Cabinda à frente de uma delegação de altos funcionários do sector, entre eles o director nacional dos Transportes Rodoviários, o director geral do Instituto Marítimo e Portuário de Angola e o director-geral da Unicargas, nomeadamente, Freitas Neto, Victor de Carvalho e Abel Cosme.