Uma central de vendas do projecto “Royal Park”, virado para a venda de infra-estruturas imobiliárias (apartamentos, escritórios, casas modernas e restaurantes) foi aberta recentemente em Luanda, resultante de uma parceria entre a empresa chinesa Megapolis e o empresário angolano Melo Xavier.

Localizado na zona nobre do bairro Talatona, na avenida Pedro Van-Dúnem Loy, defronte ao supermercado Maxi e o futuro shopping Continente (zona Sul de Luanda), o “Royal Park” tem uma localização privilegiada que facilita o transporte e uma ampla variedade de serviços.

Projecto
As obras de construção tiveram início em Setembro de 2013, numa área total de 260.000 metros quadrados (m2), sendo 370.000 m2 construídos, divididos entre zona comercial (com 200.000 m2) escritórios, apartamentos e vivendas (170.000 m2) de alto padrão, com uma previsão de investimento de 88,3 mil milhões de kwanzas (900 milhões de dólares norte-americanos).

Este valor será investido em três (3) fases, com conclusão prevista para o ano de 2017. Segundo os promotores, despois de concluído, o projecto será o maior empreendimento de uso misto e com maior variedade de serviços em Angola.

O “Royal Park” é um condomínio aberto, com sistema de vigilância de alta tecnologia, equipado com áreas para lazer (salão de festas), quadras de ténis, básquete, piscina, playground para a satisfação das necessidades dos moradores. A empresa Megapolis (promoção imobiliária e construções) ligada ao grupo empresarial China Dreal possui uma equipa de profissionais da construção e projectistas de alto nível. Após sucesso no projecto imobiliário “Jardim de Rosas” e “Austin”, ambos construídos em Luanda, o “Royal Park” será um sofisticado empreendimento.

Caracterização
Segundo apurou o JE, consta do projecto arquitectónico moderno vivendas com a tipologia T4 e T5, que serão erguidas numa área útil entre 300 a 500 m2. As moradias comportarão piscinas e quintais cujas entradas serão equipadas com portões automáticos e janelas que proporcionarão a circulação de ar e iluminação natural, além de janelas duplas para garantir o isolamento acústico, terraço no último andar e área de serviço no anexo. Todos os quartos terão a característica de suite e dotados com banheiras de hidromassagem, cozinha equipada com gás natural canalizado.

O projecto prevê a construção de apartamentos T3 e T4 com área útil de 140 a 170 m2. Os empreendimentos comportarão iluminação natural.

Mais-valia
Falando à imprensa, no acto de inauguração, o empresário Mello Xavier, parceiro do projecto “Royal Park”, disse que o empreendimento comportará 72 edifícios residenciais e escritórios de 11 andares assim como 86 vivendas modernas. Segundo o gestor, actualmente o projecto emprega mais de 4.000 trabalhadores que são frequentemente submetidos em acções de formação.

“Queremos contribuir no crescimento sustentável do sector imobiliário do país, através da utilização de matéria-prima nacional. Por exemplo, o mármore aplicado neste projecto foi extraído na província da Huíla, numa perspectiva de valorizar o produto nacional. Temos também a intenção de diminuir os altos preços que existem no sector imobiliário privado”, destacou.

Por sua vez, o presidente do conselho do “Real Park”, Yao Tian Ping, afirmou que o projecto será um dos melhores e espera que o mercado seja promissor para que mais projectos sejam construídos em todo o país.

Acrescentou que o projecto “Royal Park” reflecte o desenvolvimento e a modernização de Angola. Lembrou que desde 2008, o grupo China Dreal tem investido continuamente em Angola, Namíbia, Guiné Conacry e Ghana, sendo Angola o foco principal.