A compra e transformação de milho produzido pelos agricultores dos municípios Caluquembe, Caconda e Cacula, localizados no também conhecido como “corredor do milho” da província da Huíla, está assegurada pelo projecto agro-pecuário da Vila Branca.
O projecto inaugurado pelo governador da Huíla, João Marcelino Tyipinge, vai explorar cerca de 10 hectares dos 1.500 que compreendem ao perímetro irrigado da Vila Branca, comuna potencialmente agrícola do município de Caluquembe.
O desenvolvimento da iniciativa que visa estimular o agro-negócio na região é fruto da aplicação de cerca de 156 milhões de kwanzas, pela Sociedade de Investimentos de Gestão de Empreendimentos de Angola (SIGEA).

Parceria

O arranque do projecto marcou o lançamento da parceria público-privada para a gestão de silos construídos nos últimos anos, anunciados em Maio passado, pelo ministro da Agricultura, Marcos Nhunga, a quando da visita a província da Huíla.
Para a reactivação das duas unidades de silos de 800 e 1.500 toneladas, respectivamente, a empresa investiu na recuperação dos principais equipamentos, a instalação da balança industrial com cerca de 100 toneladas, a montagem de geradores com capacidade de 150 KVA e a construção
de gabinetes administrativos.
O presente do Conselho de Administração da Empresa, Carlos Manuel, explicou que depois do contrato de gestão assinado com a administração municipal de Caluquembe a empresa realizou um estudo que aferiu a viabilidade económica do projecto, e que gerou 65 posto de trabalhos para jovens locais, e será desenvolvido em três fases.
Informou que a primeira fase contemplou a construção de dois armazéns, bem como a aquisição de camiões basculantes e viaturas de apoio aos serviços administrativos. A segunda com a recuperação de vala de irrigação e criação de suínos e a terceira com a integração das comunidades locais na produção.
O investimento nos silos tornou as unidades totalmente automatizadas desde a descarga, recolha e os canais de condutores até ao sistema de secagem e armazenamento do milho, comprado directamente aos camponeses ao preço de 50 kwanzas por quilogramas, contra os 35 vendidos aos compradores de Benguela, Huambo e Bié.

Produção de milho

O projecto agro-pecuário integra cinco unidade de transformação de milho em farinha, com capacidades de transformar diariamente seis toneladas.
Carlos Manuel explicou que todo milho comprado dos camponeses é transformado em farinha, comercializada no mercado nacional. O grande objectivo da empresa é valorizar a produção dos camponeses e transformar o milho em fuba, como forma de reduzir a importação do produto.
O processo de compras é assegurado por agentes recrutados e equipados com motorizadas para a deslocação constantes aos campos agrícolas (cereais e feijão).
O director municipal da Agricultura de Caluquembe, Eliseu Jamba José, explicou que a cooperativa é uma das mais activas na produção de cereais com milhares de toneladas colheitas anualmente.
O governador da Huíla, João Marcelino Tyipinge, destacou a parceria público-privadas para a gestão e aproveitamento dos silos construídos para nos últimos com objectivo de conservação os cereais produzidos nos municípios.
Convidou igualmente aos interessados na gesta de outros silos da província, tendo garantido que as portas estão abertas para a celebração de parcerias público-privadas, capazes de impulsionar a produção agrícola e reduzir
a importação de alimentos.