A construção de escolas rurais, promoção no desenvolvimento económico de mulheres e a preservação da Palanca Negra, vão beneficiar de 1,2 milhões de dólares, numa doação da petrolífera Esso Angola e a Fundação Exxon Mobil.
A intenção foi manifestada pelo presidente da fundação, Kelvin Murphy, que na passada terça-feira apresentou em Luanda, o investimento que poderá ajudar o Executivo na redução da pobreza.
O investimento alocado foi atribuído à Agência de Apoio ao Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP), Africare/Core Group, Usaid, KickStart, Rice internacional e a Fundação Kissama, que terão a missão de implementar os projectos.
O presidente da fundação da ExxonMobil, Kevin Murphy, disse na ocasião que a organização está disposta em continuar a estabelecer parcerias com o Governo angolano e com organizações não governamentais em Angola.
“Acreditamos que o apoio da fundação Exxon Mobil aos vários programas sociais vão ajudar a promover uma mudança positiva nas comunidades por toda Angola”, acrescentou.

Ajuda social
Por sua vez, o director-geral da Esso Angola, André Kostelnik, recordou que as operações de ajuda social começaram em 1994, tendo na ocasião, se comprometido a apoiar o desenvolvimento económico e social de Angola a longo prazo.
A Esso Angola tem estado a ajudar mulheres camponesas a criarem cooperativas, o que está a contribuir para que as agricultoras passem da actividade de subsistência para produtores com capacidade para vender as colheitas nos mercados locais.
Segundo revelou, a Esso Angola é dos maiores contribuintes do sector privado na luta contra a malária em Angola.
Em parceria com outros actores, continuará a manter os esforços de prevenção, diagnóstico tratamento da malária em todo país.
Desde 2003, a fundação já investiu acima de 30 milhões de dólares para eliminar a doença.
A Exxomobil apoia na construção de 25 escolas primárias em Angola. Estas novas escolas irão proporcionar 24 mil crianças que estão fora do sistema de ensino nas províncias de Luanda, Benguela e Bié.
A petrolífera já investiu mais de 100 milhões de dólares em programas comunitários em Angola.