O administrador do município de Kassongue, Germano Armando, afirmou que a reabilitação completa da via Sumbe/Celes/Kassongue, que está a ser executada pelas estruturas do Executivo central e provincial, vai promover o crescimento económico e demográfico do município, além de encurtar o tempo de viagem ao longo do troço mencionado, que tem mais de 196 quilómetros de distância.

Segundo o administrador, o município tem registado uma tendência de rápido crescimento, facto que demanda por novos serviços, principalmente nas áreas comercial e bancária. Germano Armando sublinhou que a administração está aberta a novas iniciativas empresariais, sejam no ramo comercial, sejam no agro-pecuário.

“Temos enormes potenciais económicos nestas áreas e boas oportunidades de negócios para os empreendedores que possuem visão”, referiu.

Para o sector da agricultura, está a ser feito um levantamento dos espaços existentes e que oferecem boas condições para investimento agro-pecuário, além de  sensibilizar as autoridades tradicionais no sentido de disponibilizarem vastas terras em suas posses ao investimento privado, de modo a aumentar a produção e gerar mais empregos.

No domínio do comércio e serviços, o administrador garantiu que as estruturas municipais estão prontas para atender às solicitações de investimentos com facilidade, rapidez e sem burocracia, sobretudo a concessão de terrenos e outros aspectos que estão sob a alçada da administração local. “Os projectos mais complexos são submetidos à aprovação do governo provincial”, disse.

 O município de Kassongue conta com uma estrutura do BUE (Balcão Único do Empreendedor) com o objectivo de incentivar e fazer crescer o empreendedorismo local. Mas, os empreendedores reclamam pela existência de agências bancárias com o objectivo de facilitar a movimentação de contas bancárias e o acesso ao crédito.

Dificuldades
Entretanto, a demora nos trabalhos de reabilitação do troço que liga a estrada nacional nº 120 ao município de Kassongue, na província do Kwanza--Sul, a partir do entroncamento da via para o Huambo, está a dificultar as iniciativas de investimentos dos empresários locais.  

O referido troço de 37 quilómetros (Cruzamento-Kassongue) está a ser reabilitado há cinco anos, tendo registado ao longo deste período várias paralisações. Inicialmente, a empreitada estava a cargo de uma empresa que não foi capaz de conclui-lá por razões desconhecidas. Neste momento, as obras prosseguem sob a responsabilidade da empresa MCA, mas sem uma data exacta para o seu termo.

Potencialidades
O município de Kassongue, com 6.400 quilómetros quadrados, é rico em recursos naturais, minerais e turísticos.
As principais actividades económicas dos munícipes estão relacionadas à agricultura e à pecuária, devido à riqueza do seu solo fértil e à abundância de recursos hídricos. Contam-se nove rios principais neste município, além de riachos e outras fontes hídricas.

As principais culturas agrícolas do município são o café (existem 56 fazendas familiares, que produziram 350 toneladas no ano passado), milho, feijão e ginguba (amendoim). O sector da pecuária tem uma população de 30.000
cabeças de gado.

Quanto aos recursos naturais, estão quase todos inexplorados por falta de investimentos e “know-how”. A título de exemplo, fala-se na existência de quartzo na localidade do Mungo, além de diamantes.

O turismo é também outra área por ser explorada e que aguarda por investimentos privados devido às suas belezas naturais ou paisagísticas. A fauna é rica em animais selvagens como leões e hipopótamos.