Dotar o país de uma rede de transportes integrada e adequada aos objectivos de desenvolvimento nacional e regional, facilitar o processo de expansão económica e potenciar as políticas territorial e populacional constam do plano nacional desenvolvimento (PND) 2013/2017.

Para o cumprimento destes objectivos, o documento delibera como prioridades específicas estabelecer um sistema de formação e capacitação de quadros do sector, reforçar o processo de prestação de contas nas empresas públicas, assegurar a profissionalização da sua gestão e desenvolver programas para a manutenção preventiva e conservação dos equipamentos disponibilizados para a área.

Modernização
O plano nacional de desenvolvimento prevê igualmente a consolidação e reestruturação do sector aéreo, viabilizando as operações das empresas do ramo, concluir o processo de modernização dos aeroportos e consolidar a regulação aeronáutica a nível dos melhores padrões internacionais.

Concluir a reabilitação dos caminhos-de-ferro e efectuar a sua integração, consolidar a rede de transportes públicos de passageiros, finalizar o relançamento sustentado da actividade marítima, a nível nacional e internacional, melhorar a segurança marítima e a fiscalização ao longo da costa angolana constam dos objectivos para cumprimento do PND.

No sector marítimo portuário, o programa prevê assegurar a construção de terminais marítimos e terrestres no país, criar condições de protecção e segurança do ambiente marítimo. O plano vai desenvolver a hidrografia, a sinalização marítima e promover a reposição do transporte marítimo internacional de bandeira.

A alteração do modelo institucional dos caminhos-de-ferro de Angola, a operacionalização dos transporte regular ferroviário e a criação de empresas gestoras das infra-estruturas do sector constituem metas do plano nacional de desenvolvimento (PND) 2013/2014.

Sector ferroviário
De acordo com o documento, no sector ferroviário, o PND prevê, ainda  criar os meios necessários para a conservação do património das empresas ferroviárias, evitando ocupações ilegais e priorizar as  ligações do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB)  à Zâmbia e do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes (CFM)  à Namíbia.

O CFM conta com 56 estações, construídas de raiz num percurso de 700 quilómetros (km) de linha férrea, desde a província do Namibe até à do Kuando-Kubango, cuja circulação está a ser feita com normalidade. Já o CFB tem uma extensão de 1.344 km, de Lobito ao Luena, capital da província do Moxico. Promover a instalação de plataformas logísticas multimodais ao longo das linhas férreas figura igualmente do programa.

Ramo aéreo
Quanto ao sector aéreo, o plano tem como política assegurar a conclusão da construção do novo aeroporto de Luanda e concluir o programa de refundação da transportadora aérea angolana (TAAG).  O novo aeroporto internacional está a ser erguido a 40 quilómetros da capital numa área de 1.324 hectares e terá duas pistas duplas com capacidade de aterragem do maior avião comercial do mundo, o Airbus A380.

O programa prevê igualmente a refundação da Empresa Nacional de Exploração e Navegação Aérea (ENANA).A Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea (ENANA), instituição adstrita ao Ministério dos Transportes de Angola, tem vindo a levar a cabo, desde 2009, um programa de reabilitação de aeroportos em todo o território nacional, tendo várias aerogares provinciais e zonas de movimento de aeronaves beneficiado já de tais obras.

Criar condições efectivas de concorrência no sector e aumentar a capacidade de mobilidade nos transportes aéreos figuraram do plano nacional de desenvolvimento já em execução.

Rodoviário
No sector rodoviário, o PND prevê estabelecer e implementar um programa de reordenamento do sistema de transportes das províncias e a implantação de uma rede de oficinas rodoviárias. O projecto irá também estabelecer uma rede de táxis em todo o país, medida que vai estimular os programas de apoio ao emprego.

Em Luando, o projecto do Executivo prevê a criação de um sistema de transporte de massas eficiente, rápido e isolado (metro de superfície), além de  adoptar medidas que conduzam à implementação do transporte intermodal.