O Plano quinquenal do Sector da Construção e Obras Públicas prevê para este ano desenvolver várias acções, com realce para a construção, recuperação, modernização e certificação de várias infra-estruturas (estradas e pontes). Segundo um documento, para o presente ano está programado a melhoria da mobilidade das populações das zonas de produção agrícola para os locais de comercialização e escoamento de produtos, sendo que a meta é reabilitar 1.650 quilómetros (km) da rede fundamental. Está também, previsto asfaltar 800 km de estradas primárias e 850 km de estradas secundárias. O programa contempla 2.000 km de estradas em terra. O projecto que será desenvolvido nas 18 províncias, contempla ainda a conservação de 1.500 km. Quanto às infra-estruturas integradas e obras especiais de engenharia, a iniciativa prevê para este ano, a asfaltagem de 340 km de vias urbanas, construção e reabilitação de 1.540 metros de pontes, estabilização de 75 hectares de encostas. Ainda para este ano, o ambicioso projecto do Governo contempla o desassoreamento e protecção de 13 km de leito dos rios, a protecção de 15,5 km da erosão costeira, além de combater 76 hectares de ravinas.

Obras públicas
No que refere às obras públicas, o sector pretende dar continuidade ao processo de reabilitação e construção dos edifícios sede dos governos provinciais, palácios dos governadores, equipamentos sociais.
Estes projectos serão desenvolvidos no âmbito da normalização da actividade administrativa do Estado e asseguramento de equipamentos sociais para o bem-estar das populações assim como a construção de casas sociais com o objectivo de realojar a população que se encontra em zonas de risco ou nos locais de construção de novas vias urbanas ou valas
de drenagem pluvial.
A meta é atingir a construção ou reabilitação de um edifício público, a construção ou reabilitação de dois equipamentos sociais, a manutenção e conservação de um equipamento social, a manutenção e conservação de três edifícios públicos, bem como a construção de 5.920 casas sociais.

Missão
A estratégia definida no Plano quinquenal, revela o documento, define as prioridades e metas “realistas” a implementar no período 2018/2022.
“Como qualquer instrumento de planeamento, terá revisão anual em coordenação com os governos provinciais para melhor reflectir a dinâmica dos projectos e actualizar as necessidades assim como a evolução do cenário financeiro”, sublinha a nossa fonte.