O desempenho do orçamento do sector da Agricultura e Florestas no ano transacto foi de 28 mil milhões de kwanzas executado em cerca 82,9 por cento, “fruto da eficácia e parcimónia na gestão dos recursos que estavam ao nosso alcance, assim como na alocação atempada dos mesmos”.
Apesar da exiguidade dos recursos, a optimização da sua utilização em conjugação com as medidas adoptadas pelo sector, foi possível obter resultados satisfatórios. Foram assistidas 1.042.355 famílias através do programa de extensão e desenvolvimento rural e, no quadro dos projectos de financiamento externo.
Neste contexto, foram produzidos mais de 2,8 milhões de toneladas de cereais, que corresponde a 91 por cento da meta definida, 10,8 milhões de raízes e tubérculos que (95%), 571.002 toneladas de leguminosas e oleaginosas (71), 5,9 milhões de frutas diversas (87) e 1,9 toneladas de hortícolas (102).
Destes resultados, avançou, o sector empresarial “começa a dar os primeiros passos”, tendo contribuído no resultado global durante a campanha passada com 18 por cento dos cereais, 10 das leguminosas, nove das raízes e tubérculos, 33 das frutas e 20 das hortícolas.
No domínio do café foram distribuídas cerca de 385 mil mudas de café aos produtores familiares das províncias do Cuanza Sul e Norte, Uíge, Bengo, Huambo e Bié. Foram produzidas 6.510 toneladas de café comercial.
Quanto ao fomento à produção pecuária, o sector produziu 27.192 toneladas de carne de aves, que corresponde a 63 por cento da meta definida, 22.161 de carne bovina (33,4), 117.185 de carne ovina/caprina (68,3), 4.263 de carne suína (16), 27.192 de carne de frango (63,4), 1.119 milhares de unidades de ovo (146) e 3.575 milhões de litros de leite (69).