As salineiras Capulo, Natércia e Filhos no município do Ambriz, província do Bengo, necessitam de cerca de 60 milhões de kwanzas para pôr em funcionamento 24 hectares que estão sem produzir.
Em declarações à imprensa, o responsável da salineira Natércia e Filhos, Omar Rodrigues, disse que há muita dificuldade em obter empréstimo junto à banca e os juros muito altos impossibilitam a expansão do negócio e a criação de mais postos de trabalho.
Apesar dessas dificuldades, afirmou, as salineiras estimam produzir este ano cerca de sete mil toneladas de sal. Em 2018 foram colhidas 3.300 toneladas.
Para atingir esta cifra, foram preparados 180 hectares e estão a ser aplicadas tecnologias modernas, com destaque para a técnica de bombeamento de água que vai facilitar a distribuição do líquido nas áreas de produção, afirmou.
O responsável referiu que o sal produzido é iodizado na província, obedecendo as normas exigidas, e comercializado em vários mercados e supermercados da província.

Produção de sal
A salineira Capulo produziu em 2018, cerca de três mil toneladas de sal, enquanto a Natércia e Filhos apenas 300 toneladas.
De Janeiro a Dezembro de 2018 foram produzidas no país 93 mil toneladas de sal iodizado, número inferior as 101 mil toneladas do ano de 2017.
Para cobertura de consumo humano e das indústrias o país necessita por ano de cerca de 250 mil toneladas de sal. Actualmente o país está acima dos 67 por cento de cobertura.
Para o consumo humano o país necessita de 150 mil toneladas.