O ministro das Finanças, Archer Mangueira,garantiu segunda-feira, na província do Cunene, existir dinheiro suficiente para atender o plano de emergência para mitigar os efeitos da seca na região.
Durante a visita, Archer Mangueira disse que, dos 3.9 mil milhões de kwanzas disponibilizados até ao momento foram somente gastos 40 por cento do total .
Assim sendo, realçou que estão disponíveis 60 por cento do valor global para acções de emergências a fim de se acudir a população afectada pela seca. Por esta razão deslocou-se ao Cunene para agilizar e dinamizar com o governo provincial o uso dos recursos existentes, em benefício dos atingidos pela estiagem.
O ministro sublinhou que os níveis de execução do plano de emergência estão abaixo do desejável, razão pela qual há uma equipa do Ministério das Finanças e técnicos locais a trabalharem no Cunene para que as verbas autorizadas possam ser utilizadas sem prejuízo do que está definido por lei.
O governante reiterou um maior engajamento de todos os intervenientes no processo, para que as acções programadas tenham de facto, o carácter de emergência, a fim de mitigar o efeito da falta de àgua.
Por sua vez, o governador do Cunene, Virgílio Tyova disse que, as acções em curso visam aumentar a capacidade de resposta do processo de capacitação, transportação, distribuição e armazenamento de água para as populações nas zonas rurais, através de camiões cisternas e colocação de reservatórios.
Nesta primeira fase, pretende-se diminuir a distância que as populações percorrem para adquirir água, estimada em 20/30 quilómetros
O secretário do governo do Cunene, Domingos Wango, que apresentou o quadro técnico actual, disse que foram já adquiridos dez camiões cisternas de 20 mil litros cada e 25 tanques galvanizados de alta temperatura, de 10 mil litros cada.