A França vai reforçar a cooperação com Angola na formação de quadros angolanos, especializados no sector agro-pecuário, com base num protocolo assinado na passada terça-feira, em Luanda, pelos ministros dos dois países, Marcos Nhunga e Didier Guillaume, respectivamente.
Para o efeito, técnicos angolanos serão enviados à França para absorverem conhecimentos e receberem experiências de quadros franceses.
Além da formação de quadros, o protocolo que surge na sequência do Acordo Intergovernamental França/Angola, assinado em 1 de Março de 2018, em Luanda, dá também especial atenção à organização e ao desenvolvimento das fileiras.

Cooperação

Um ano depois da assinatura desse Acordo, o ministro da Agricultura e Alimentação da França, Didier Guillaume, considerou satisfatória a implementação dos projectos que constam do acordo, facto que vai galvanizar o Governo francês a avançar com a cooperação no sector agro-pecuária.
“Não é possível fazer uma agricultura sustentável sem formação especializada dos agricultores, por isso elegemos a especialização de quadros como primeira prioridade”, referiu.
Reiterou ainda que no âmbito de vários acordos rubricados entre os dois países, o Presidente francês, Emmanuel Macron, vai efectuar uma visita de Estado no princípio de 2020, visando o reforço da cooperação económica.

Investimentos

Na ocasião, o ministro Marcos Nhunga afirmou que Angola vai precisar de pelo menos 70 milhões de dólares para financiar projectos agrícolas e mitigar a seca na região Sul do país.
A produção de vacinas destinadas à pecuária, apoio ao desenvolvimento da agricultura comercial e o reforço da resiliência dos pequenos produtores às mudanças climáticas constam dos acordos rubricados entre os dois países.
No quadro da sua estratégia para alavancar o sector agro-pecuário, o Governo angolano reconhece ser necessário mais investimentos públicos e privados, direccionados para o melhoramento genético dos animais, na alimentação, na sanidade animal, nas infra-estruturas de apoio à produção, nos recursos humanos e na comercialização, com vista a melhorar os resultados.
Está em curso a reabilitação de infra-estruturas de apoio à produção pecuária, nomeadamente tanques banheiros e mangas de vacinação, no Cunene e Huíla, províncias com maior concentração de gado.