O plano de acção do sector da Energia e Águas para o quinquénio 2013/2017 prevê desenvolver vários projectos que a longo prazo, contribuirão no desenvolvimento harmonioso do país. Segundo um documento divulgado recentemente pelo Ministério da Energia e Águas, a estratégia, foi elaborada em consonância com o plano de desenvolvimento do subsector eléctrico de Angola, alicerçado na estratégia de segurança energética.

O projecto estabelece as acções e projectos cuja execução concorre para a universalização do acesso a energia eléctrica, ao uso eficiente da energia eléctrica bem como a sustentabilidade da actividade económica do sector.

Programa de investimento
Consta igualmente necessidades de recursos financeiros para o cumprimento do programa e dar resposta efectiva aos importantes desafios que o sector enfrenta definidos no plano de segurança energética (PSE) e no plano nacional emergências de águas (PNEA), o valor global estimado para o período 2013/2017, é de cerca de  2,8 triliões de kwanzas (29,16 mil milhões de dólares), sendo 2,2 triliões (23,21 mil milhões de dólares) para o sector da energia e 570,5 mil milhões de kwanzas (5,94 mil milhões de dólares) para o sector das águas, correspondendo a 79 por cento (pc) e 21 pc do valor global, respectivamente.

Para o desenvolvimento dos dois subsectores, foram identificados os projectos prioritários e estruturantes. Com base nos pressupostos, a carteira de investimentos a desenvolver no quinquénio contempla cerca de 1,3 triliões de kwanzas (14,57 mil milhões de dólares) que serão destinados aos projectos estruturantes do subsector eléctrico e cerca de 376,5 mil milhões de kwanzas (3,92 mil milhões de dólares) a serem cabimentados aos projectos estruturantes do subsector das águas.

Projectos prioritários
Quanto aos projectos prioritários e outros em curso, do subsector eléctrico a carteira de investimentos é de 482,2 mil milhões de kwanzas (5,02 mil milhões de dólares) e 319,8 mil milhões de kwanzas (3,33 mil milhões de dólares) destinados aos projectos de electrificação rural (sedes municipais e comunais). Neste segmento o projecto prevê igualmente um investimento de 194,9 mil milhões de kwanzas (2,03 mil milhões de dólares) destinados aos projectos prioritários e outros em curso, para o subsector das águas.

Grandes barragens
O documento destaca que para o sector da energia eléctrica o investimento estimado para a construção das grandes barragens e reforço da capacidade de produção térmica ao longo do período é de 1,1 trilião de kwanzas (12,4 mil milhões de dólares), enquanto para os sistemas de transporte e de distribuição prevê-se um investimento de 566,7 mil milhões de kwanzas (5,9 mil milhões de dólares).

Benefícios  
Segundo avança a fonte, com este investimento prevê-se realizar 1,3 milhões de novas ligações domiciliares, das quais cerca de 600 mil serão efectuadas na província de Luanda.

Relativamente ao sector das águas, o documento sustenta que, o investimento global previsto é de cerca de 570,5 mil milhões de kwanzas (5,94 mil milhões de dólares), dos quais cerca de 5,1 triliões de kwanzas (53,4 milhões de dólares) destinados à componente de recursos hídricos, e 496,6 mil milhões de kwanzas (5,17 mil milhões), destinados a acções de ampliação dos sistemas de abastecimento de água e saneamento das capitais provinciais, ao abastecimento às sedes municipais, bem como às áreas rurais, através do Programa Água para Todos (PAT).

Para a cidade de Luanda está prevista a construção de dois grandes sistemas de abastecimento de água, designadamente, o sistema 4- ETA do Bita e o de Quilonga Grande, num montante a investir de 117,9 mil milhões de kwanzas (1,22 mil milhões de dólares).

A fonte refere que alguns dos projectos ora identificados não constam ainda da carteira de projectos do sector, estando alguns em fase de elaboração de estudos, e outros em fase de preparação, estando-se a desenvolver acções para a sua inclusão no Programa de Investimentos Públicos (PIP) de 2013.

“Comparativamente à estimativa inicialmente prevista, para a implementação das infra-estruturas básicas do sector, cujo valor era de 1,6 triliões de kwanzas (17 mil milhões de dólares), o indicador presente representa um aumento significativo, pela inclusão das componentes relativas ao fornecimento de energia às novas centralidades que estão a emergir no país, aos novos projectos agro-industriais, bem como, à electrificação das sedes municipais e comunais”, frisa a fonte.