Um dos grandes constrangimentos com que os oito países que compõem a bacia do rio Zambeze se têm confrontado prende-se com o elevado défice no fornecimento de energia eléctrica, com consequências negativas para a indústria e a agricultura.

Segundo um estudo elaborado em 2007, por peritos de energia da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), a crescente urbanização e a industrialização dos países banhados pela bacia do rio Zambeze quadruplicar-se-ia em cinco anos, numa altura em que a procura deste produto na África Austral cresceria entre 1,8 a 13,1 por cento, de 1996 a 2020.

Perante esta crise de energia, os Estados da bacia do Zambeze têm desenvolvido acções que visam aumentar a capacidade de geração e melhorar a distribuição da electricidade. Nesta conformidade, estes países ribeirinhos assinaram um memorando de entendimento inter-governamental do grupo de energia da África Austral, cuja implementação está a ser desenvolvida no âmbito da denominada estratégia de gestão integrada dos recursos hídricos (IWRM) para a bacia do rio Zambeze.
A estratégia vai contribuir para o desenvolvimento de infra-estruturas para a geração de energia.

Potencial
De acordo com um documento da SADC, o rio Zambeze tem uma capacidade estimada de geração de hidroenergia de 20.000 megawatts (mw), que os analistas consideram serem suficientes para satisfazer a demanda de energia dos oitos países ribeirinhos, nomeadamente Angola, Namíbia, Zâmbia, Botswana, Zimbabwe, Moçambique, Malawi e Tanzânia. Dados indicam que somente 23 por cento deste potencial estão a ser utilizados.
Apesar destas potencialidades, os Estados da bacia do rio Zambeze ainda continuam confrontados com uma séria falta de electricidade, numa altura em que estão a fazer esforços para aumentarem a geração e a distribuição de energia.
A bacia do rio Zambeze é dotada de grandes depósitos de carvão, urânio e gás associadas aos abundantes recursos hídricos para a geração de energia eléctrica. Tem também potencial para geração de energia térmica.
As reservas exploráveis de carvão de países como Moçambique, Malawi, Zâmbia e Zimbabwe estão situadas na bacia do rio Zambeze. Dados da SADC indicam que os quatro países têm 1.986 milhões de toneladas de reservas de carvão das quais 86 por cento encontram-se em Zambeze.
A África Austral conta com 15 bacias de rios transfronteiriços com uma área combinada de drenagem que cobre 78 por cento de terra da área continental da região. Alguns dos principais rios internacionais na região são: Congo, Zambeze, Okavango, Limpopo, Orange, Rovuma e o Cunene.