A província dispõe de um potencial de negócios que aguarda a chega de novos investidores

O sector industrial na província do Bengo registou, nos últimos quatro anos, um crescimento significativo, passando das anteriores 155 unidades de produção, em 2006, para as actuais 323, o que representa uma subida em cerca de 108 por cento. Este aumento permitiu também a criação de mais de quatro mil postos de trabalho, contra os dois mil avaliados em finais de 2008.

A par da indústria, os sectores do comércio, turismo e o dos transportes também alavancam o desenvolvimento da província, com índices de crescimento muito notáveis. Os efeitos da crise económica e financeira mundial no Bengo obrigaram a que muitas indústrias despedissem alguma mão-de-obra e outras paralisassem as suas actividades. Contudo, a recuperação evidente do desempenho da economia nacional começa a trazer novos ventos àquela que é também conhecida como a terra do “jacaré bangão”.

Em entrevista ao JE, a directora provincial da Indústria e Geologia e Minas, Rolina Jacinto de Oliveira, afirmou que a aposta dos investidores locais recai, fundamentalmente, para o sector dos minérios, dos materiais de construção, produção de água e bebidas.

A fonte adiantou também que a província concentra 35 dos 45 minérios mais importantes do comércio mundial, facto que justifica a aposta do executivo local e parceiros privados na exploração destas potencialidades. Conforme informou, actualmente, 77 por cento das indústrias instaladas localmente dedicam-se à exploração de minérios.

Dados da direcção provincial apontam que os principais investimentos na área industrial concentram-se no município de Icolo-Bengo, pois este oferece melhores condições aos investidores, essencialmente pela existência de infra-estruturas de serviços como electricidade e água.

De acordo com o site Info Angola, a província possui um vasto leque de minerais industriais, factor aliciante para o seu aproveitamento como matéria-prima para a indústria transformadora nacional, dentre os quais podemos encontrar o urânio e o ouro. Este último requer um estudo para avaliar o seu valor económico, mas outros minérios mais comuns, como o solo vermelho, burgau, calcário, gesso e gnaisse, entre outros, já estão a ser explorados, sobretudo pelas indústrias do ramo das cerâmicas, instaladas na província e na vizinha cidade de Luanda.

Comércio e turismo

A actividade comercial no Bengo é dominada por pequenos estabelecimentos de comércio precário. O supermercado “Nosso Super”, da rede comercial Presild, é a única superfície de médio porte existente.

Segundo o director provincial do Comércio, Michel Costa, a província oferece excelentes oportunidades de negócios nesta área e os empresários podem beneficiar de boas condições de investimento. Ao contrário de outras províncias, no Bengo, o processo de licenciamento da actividade comercial e a atribuição do respectivo alvará são rápidos e contam com o apoio dos Serviços Intergrados de Apoio ao Cidadão (SIAC), órgão afecto ao Ministério da Administração Pública Emprego e Segurança e Social (MAPESS), onde o cidadão pode emitir, num mesmo espaço e horário, documentos de diferentes organismos públicos.

Até Setembro deste ano, foram licenciadas um total de 1.075 empresas, entre estabelecimentos comerciais (retalhistas e grossistas) e prestadores de serviços. No ano passado, o total de licenciamento foi de 1.032 estabelecimentos, o que representa um aumento de 4 por cento.

“Neste momento, estamos a trabalhar no sentido de promover o comércio rural e turístico com o objectivo de garantir o escoamento da produção agrícola, que muitas vezes se estraga por falta de compradores ou de meios para o seu escoamento”, afirmou.

No que se refere ao turismo, a província possui o Parque da Quissama onde se protegem vários animais africanos, além das extensas praias da Barra do Dande, muito frequentadas aos finais-de-semana por turistas nacionais e estrangeiros, sem contar com as lindas paisagens naturais, localizadas um pouco por toda a província.

Requalificação de Caxito

A nível interno, o Governo da Província do Bengo deseja transformar a sua sede (Caxito), conhecida como a cidade de uma só estrada, em “cidade da água” por dispor de uma vasta rede de recursos hídricos. A província tem muitos rios e um deles desagua no mar, proporcionando uma paisagem espectacular com um forte potencial turístico na comuna da Barra do Dande.

A requalificação urbanística de Caxito faz parte de um projecto do governo local inspirado na cidade de Saragoça, em Espanha, e pretende transformar a sede provincial num pólo agro-industrial, comercial e logístico. Deste modo, a cidade renasce dos destroços deixados pela guerra e caminha progressivamente para o desenvolvimento económico e social, com vista a melhorar a qualidade e o nível de vida da sua população. A província do Bengo localiza-se no Norte de Angola, numa superfície de 41 mil quilómetros quadrados e uma populacão estimada em 500 mil habitantes. Possui oito municípios, nomeadamente Ambriz, Dande, Icolo e Bengo, Nambuangongo, Quissama, Dembos, Pango Aluquém e Bula Atumba.

Leia mais sobre outras notícias da actualidade na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação