Primeira edição da Bolsa Internacional de Turismo (BITUR) decorre de 11 a 14 de Outubro na cidade de Luanda.

O sector da Hotelaria e Turismo, nesta fase de relançamento e crescimento da economia nacional, reveste-se de grandes responsabilidades e desafios, numa altura em que o Executivo angolano pretende que a percentagem do sector na actual estruturação do Produto Interno Bruto (PIB) seja cada vez mais significativa.

Para que este desiderato tenha os resultados preconizados, o organismo que tutela o sector no país, em parceria com a Feira Internacional de Luanda (FIL), realizam, de 11 a 14 de Outubro, a primeira Bolsa Internacional de Turismo (BITUR), evento que vai juntar mais de 55 empresas nacionais e estrangeiras ligadas aos mais diversos segmentos deste sector estratégico.

“Vá para fora, sem sair de Angola: conheça Angola, conquiste o mundo” – este é o lema central da Bitur, que pretende ser um verdadeiro estuário para a diversificação da economia angolana.

Aposta

Para a gestora da Bitur, Célia Denise, a feira reveste-se de uma importância capital no relançamento da diversificação da economia do país, numa altura em que o sector petrolífero continua a ter um peso muito grande nas receitas do país.

“Angola tem muitas fontes de rendimento que estão sub-aproveitadas. Uma delas é o sector turístico. Em Angola, o turismo de negócio ainda domina, já que a maior parte dos visitantes estrangeiros veêm para o país fazer negócio e não para explorar os verdadeiros encantos turísticos e as belezas. A Bitur aparece para fomentar o turismo interno, não só para o estrangeiro, mas também para os turistas nacionais”, destacou.

Presença garantida

Durante os quatro dias de exposição, a organização conjunta do Instituto de Fomento Turístico (órgão afecto ao Ministério de Hotelaria e Turismo) e a FIL esperam receber oito mil visitantes, no pavilhão 5, que tem uma área total de quatro mil metros quadrados, onde as empresas nacionais e estrangeiras vão expor as suas potencialidades, na mira de atraírem mais investidores e parceiros para o sector.

“Teremos também uma área exterior que vai ser usada para campismo”, frisou, depois de revelar que, durante o evento, serão feitos workshops e concursos de gastronomia nacional, acções que se enquadram no projecto de divulgação das potencialidades angolanas.

Segundo a gestora do evento, nesta primeira edição da Bitur está garantida a presença de várias empresas estrangeiras, que ainda não têm representação (filial) no país. Destas, destacam-se empresas provenientes de São-Tomé e Príncipe, Brasil e Portugal.

“Teremos companhias aéreas, agências de viagem, hotéis e outras vertentes do segmento turístico e hoteleiro. Além das presenças já confirmadas de empresas provenientes de São-Tomé e Príncipe, Brasil e Portugal também estão a ser feitos contactos com os consulados de Angola nos Estados Unidos de América, Grécia, Dubai e África do Sul onde existe interesse de empresários para conhecer a realidade angolana, nesta primeira fase para visita e posteriormente, na segunda edição, para poderem expor os seus produtos”, disse.

Fomento

Quanto à participação de empresas do sector hoteleiro e turístico sedeadas noutras províncias, a gestora assegurou que na bolsa estarão presentes firmas das províncias de Benguela, Huambo, Moxico, Cabinda e Namibe.

“Pretendemos também levar a feira para fora de Luanda. A ideia, nesta fase, é começarmos por Luanda e, depois, estendermos também para o interior do país, como forma de fomentar o turismo interno”, sublinhou a gestora, tendo destacado que a Bolsa Internacional de Turismo terá uma periodicidade anual.

Mercado

Instada a pronunciar-se sobre a problemática procura-oferta, Célia Denise salientou que as parcerias público-privadas que têm sido feitas no sector estão a fomentar o turismo. Segundo a gestora, apesar de os preços praticados no mercado ainda serem bastante elevados, o desenvolvimento do turismo no país é um dado adquirido.

“É uma das grandes lutas do Ministério da Hotelaria e Turismo modificar este quadro. Já há mais hotéis e existe a intenção de se construir outros. A concorrência normalmente faz com que os preços dos produtos decresçam, pelo que pensamos que, com o surgimento de mais hotéis, esta situação será resolvida”, augurou a responsável da Bitur.

A Bolsa Internacional de Turismo vai decorrer em simultâneo com a Feira Internacional de Minas de Angola.

Leia mais sobre outras notícias da actualidade na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação