O sector do turismo, na província do Cunene, continua a aguardar por investimentos públicos e privados com vista a atrair maior número de turistas e ao seu relançamento rumo a diversificação da economia do país.

A província conta com inúmeros pontos e lugares de referência turística, com particular realce para o complexo turístico do Oihole, as Quedas de água do Ruacaná, Quedas de água do Monte Negro, Fortes Roçadas, monumentos Vau do Pembe, Toca do leão, o maior embondeiro de África, entre outros pontos.

Estratégia
Para este efeito, a direcção do comércio, hotelaria e turismo e os empresários do ramo traçam políticas inerentes ao desenvolvimento do sector, com vista a atrair mais investidores a nível da província.

O director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo, Gabriel Hikimoti, disse que a província precisa de estabelecer políticas para o desenvolvimento do sector do turismo. Para tal, acrescentou, torna-se imperiosa a reabilitação das vias de acesso e de diferentes
áreas turísticas.

Na opinião do director do Comércio, Hotelaria e Turismo, a província do Cunene possui áreas que permitem desenvolver todo tipo de actividade do sector, com particular realce para as áreas de lazer, negócio, desporto e outras.

Gabriel Hikimoti convida, assim a classe empresarial do ramo a concorrer à exploração dos sítios já localizados existentes no Cunene.

Pontos turísticos
A província tem o complexo turístico do Oihole, localizado no município de Namacunde, onde está implantado o memorial do rei Mandume, a beneficiar de reabilitação e ampliação, numa iniciativa do governo local.

A província do Cunene, conta com outros pontos de referência turística como as quedas de água de Ruacaná que a par do complexo do Oihole é um verdadeiro cartão de visita.

Este gigante turístico está ligado ao potencial hídrico do país, na fronteira com a República da Namíbia é onde se verifica um desnível de cerca de 100 metros, gerando uma fascinante paisagem que se localiza no município do Curoca.

Fazem ainda parte dos atractivos das quedas de água do Monte Negro, que em língua local é chamado de Epupa, no município do Curoca, cachoeiras impressionantes e que encantam os poucos turistas que lá visitam.

Destacam-se outros locais históricos e naturais como as Fortes roçadas, Monumento Vau do Pembe e do Mufilo, Ombala grande do Humbe e Toca do leão no município de Ombadja e Ombala grande do Oipembe no município do Cuanhama.

Todos estes lugares aguardam por investimentos para atrair mais turistas e contribuir assim na diversificação da economia. O sector do turismo apresenta-se como dos mais promissores da economia, disponibilizando um conjunto de produtos turísticos e experiências enriquecedoras aos seus visitantes, sejam oriundos do mercado interno ou externo.

Potencial
Cunene apresenta um potencial turístico ainda por explorar, neste sentido o crescimento do sector é uma prioridade do governo local não só pelo efeito económico como também pelo facto induzido noutros sectores nomeadamente dos transportes, comércio, restauração e animação cultural, refere o director.

A tendência de crescimento do sector do turismo é visível, mas Gabriel Hikimoti, disse que existem na província do Cunene cerca de 12 sítios naturais-históricos e culturais de interesse turístico que estão ainda por explorar.

Disse que há muitas situações que impedem a exploração adequada dos pontos turísticos, relacionados com as vias de acesso, tornando-se o principal conclave do desenvolvimento do sector.

O director lamentou o facto de se estar a prestar pouca atenção aos poucos centros turísticos existentes na região, tendo afirmado que, para este ramo, se tem registado a ausência de investimentos nos últimos tempos.

Rede hoteleira
Nos últimos anos, o sector hoteleiro registou significativas melhorias, com um aumento considerável de quartos, a contar actualmente com dois hotéis e 33 pensões, além de outras estruturas similares de apoio ao ramo.

Tal crescimento tem vindo a reflectir-se na melhoria da qualidade de serviços e a geração de emprego para os jovens. Para o director provincial do Comércio, Hotelaria e Turismo apesar das dificuldades que se sentem no sector, tem existido uma evolução considerável.

Gabriel Hikimoti disse que as unidades hoteleiras na província estão a contribuir no crescimento da região, tanto em termos de infra-estruturas, assim como na melhoria dos serviços prestados.

Salientou que, com o surgimento em força da rede hoteleira de qualidade, a província atrairá muitos agentes económicos e desta forma, dinamizar o sector produtivo.

Para o director a província dispõe de inúmeras potencialidades turísticas que estão a ser pouco exploradas, numa altura em que este sector é um dos “motores” de várias economias mundiais.

“Os hotéis, pensões e hospedarias existentes ainda enfrentam problemas na formação e qualificação do seu pessoal, por falta de uma escola de hotelaria na província e força humana que exerce esta actividade praticamente não está preparada para tal”, sublinhou, depois de ter reconhecido os esforços que estão a ser empreendidos por parte dos empresários locais.