O sector da hotelaria e turismo registou um crescimento acentuado em 2013, cujo volume de negócios atingiu o montante de 119,1 mil milhões de kwanzas (1,1 mil milhões de dólares), contra os 14,5 mil milhões registados em 2012.

Segundo o boletim estatístico do mercado hoteleiro e turístico de Angola, divulgado recentemente pelo ministério de tutela, no ano em análise, o volume de negócios teve uma evolução positiva de 39,6 milhões de kwanzas (397 milhões de dólares) em comparação com o ano de 2012.

O seguimento restauração e similares teve uma actuação considerável, tendo atingido 39,9 por cento, seguido do segmento hoteleiro com 21,9. A fonte destaca que o crescimento das receitas no biénio (2012/2013) atingiu 189,5 mil milhões de kwanzas (mais de 2 mil milhões de dólares), correspondendo a um crescimento de 50,0 por cento em relação ao biénio anterior.

Contribuição
De acordo com os dados, o segmento de viagens, uma componente da conta de serviços, registou um grande peso na balança de pagamentos em 2013, tendo obtido um superávite de 104,6 mil milhões (1 mil milhões de dólares), contra 53,6 mil milhões de kwanzas (541,6 milhões) registados em 2012, representando um crescimento de 94,9 por cento. De 2012 a 2013 houve um aumento de 74,6 por cento das receitas totais com a entrada de turistas no território nacional, ao passo que as despesas decorrentes do turismo no exterior tiveram um aumento de 4,7.

O boletim do Ministério da Hotelaria e Turismo destaca que os factores que estiveram na base deste aumento das receitas prende-se com a realização do Mundial de Hóquei em Patins e da Feira Internacional de Luanda, além da consolidação da estabilidade macroeconómica do país que tem proporcionado maior atracção do investimento estrangeiro. As viagens de negócio destacam-se como sendo o motivo do turismo em Angola, com um peso de 80,9 por cento sobre o valor total de 2013, numa altura em que o turismo pessoal representou 19,0.

Chegada de turistas
Em 2013, o fluxo de chegadas de turistas às fronteiras nacionais atingiu 650 mil turistas, o que representa um aumento de 23 por cento, cerca de 121 mil em relação ao ano de 2012. O fluxo de chegadas de turistas às fronteiras nacionais cifrou-se em 23,1 por cento, mais 13,3 em relação ao de 2012.O movimento turístico a nível da SADC atingiu a cifra de 200.593 chegadas. Em relação aos Palop, o movimento turístico proveniente deste bloco atingiu 8.033 chegadas, com São Tomé e Príncipe e Moçambique a destacarem-se.

Rede hoteleira
Durante o período em análise, estiveram em funcionamento 5.766 unidades hoteleiras, restaurantes e similares e agências de viagens e turismo, representando um acréscimo de mais de 253 novas unidades em comparação a 2012, em que a cifra se situou em 5.513 unidades classificados para a prática do turismo. Por tipo de unidades, verificou-se um acréscimo nos restaurantes e similares (+162), hospedarias (+44) e hotéis (+17). As províncias de Luanda, Benguela e Huíla representaram 69,4 por cento do total da rede hoteleira e similar, durante o período.

Alojamento
As unidades hoteleiras e os meios complementares de alojamento albergaram 1,1 mil milhões de hóspedes. O número de dormidas associadas às deslocações turísticas atingiu 3.230 mil correspondendo a um acréscimo de 454,2 mil em comparação com o de 2012. Segundo a fonte, a repartição das dormidas por origem, mostra que os angolanos residentes com 1.475 mil assinalaram o aumento mais elevado, seguindo-se estrangeiros não residentes com 1.352 mil hóspedes. Em termos de tipificação dos meios de alojamento, os hotéis foram os mais utilizados pelos turistas, com um registo de 2.126 mil dormidas.

Emprego
O boletim anual indica que os dados obtidos junto dos operadores privados apontam que em 2013, o emprego atingiu a cifra de 173,4 mil. Em comparação a 2012 constatou-se um crescimento de 9,8 por cento, que se cifrou em 15.524 postos de trabalho.

Deste número, os restaurantes e similares contribuíram com 43,1 por cento no emprego, seguidos dos hotéis e pensões com 25,7 e 22,8 respectivamente. No segmento do emprego, a província de Luanda contribuiu com 73,6 por cento do total do país, seguida da de Benguela e da Huíla com 8,1 e 5,5 respectivamente. O valor das despesas com salários suportado no sector privado no ano em análise atingiu o total de 25,6 mil milhões de kwanzas (256 milhões de dólares).

Visão
Fontes do ministério de tutela indicam que o turismo de Angola apresenta ainda um défice de oferta a vários níveis mas dispõe de um conjunto de recursos e de um contexto favorável ao seu desenvolvimento. O país deverá posicionar-se como o destino de diversão e animação em África, alavancando o seu património cultural, natural de praias e desporto.