O secretário do Estado da Indústria, Ivan Magalhães do Prado, apresentou, recentemente, um projecto para implementação de uma indústria agro-alimentar, no município do Soyo, província do Zaire, com o arranque das obras previsto para finais do ano em curso ou princípio de 2020.
Ivan Magalhães do Prado disse que o projecto reveste-se de grande importância não só para a região, mas também para o país, na medida em que vai criar cerca de 1.500 postos de trabalho.
“Viemos aqui para apresentar ao governo provincial, um projecto que achamos que é de grande importância não só para a província do Zaire, mas também para o país, uma vez que vai criar cerca de 1.500 postos de trabalho. Temos certeza que, terá um impacto muito positivo para o nosso país, até ao nível das exportações”, frisou.

Mais-valia
O director-geral do grupo “Carrino Indústria”, Délcio Catarro, proprietário do projecto, disse que, a região do Soyo, oferece vantagens em todos os aspectos para acolher a referida indústria agro-alimentar, a semelhança
do Lobito, onde já actuam.
Instado a falar sobre as características do projecto, Délcio Catarro, considerou prematuro revelar os detalhes, uma vez que, vieram ao Soyo para prospecção do mercado e identificação do local, onde deve ser implementada a indústria de processamento de
cereais de grande dimensão.
“Viemos fazer uma visita técnica de prospecção de terrenos para a implementação de uma indústria alimentar aqui no Soyo, onde vamos produzir sobretudo, produtos da cesta básica. Estamos a falar de uma indústria transformadora de cereais e seus derivados, sobretudo a mandioca produzida em grande escala localmente. De momento é muito prematuro estar a falar em valores, capacidades, especificidade
da mesma”, avançou.
De acordo com Délcio Catarro, dentro em breve, o grupo vai regressar ao Soyo para o lançamento da primeira pedra, momento que considera propício para avançar com os detalhes do projecto a implementar na região.
“Pretendemos fazer dentro em breve, o lançamento da primeira pedra e aí sim, já de alguma forma objectiva e clara vamos fazer entender, tanto as fábricas a implementar, como também as suas capacidades e seu volume de investimento, mas podemos garantir que o dinheiro está disponível. São fundos de investimentos exteriores que vão fazer com que este projecto aconteça”, avançou.
O grupo Carrinho Indústria, que já actua no município do Lobito, província de Benguela, como avançou Délcio Catarro, vai muito em breve inaugurar uma mega fábrica de processamento de cereais, cuja experiência, pretendem expandir em todo território nacional, começando pelo Soyo.
“O parque industrial de Benguela, está neste momento num processo de arranque, concretamente no Lobito e, nós o que pretendemos é, fazer a transição daquilo que foi a nossa experiência ao longo dos últimos dois anos a nível nacional, queremos nós começar aqui pelo Soyo”, acrescentou.
Por seu turno o governador provincial do Zaire, Pedro Makita, considerou a província de muito rica em termos de recursos minerais, pelo que, apelou a outros grupos empresariais a investir na região, uma vez reunir condições de água, energia
eléctrica e recursos humanos.
“O Zaire é muito rico em recursos minerais. Tem água, também tem capacidade instalada de energia eléctrica e tem pessoas, é assim que, nós estamos a encorajar este grupo e não só, queremos apelar aos outros grupos empresariais para investirem na
província”, apelou Pedro Makita.

Pólos Industriais
No capítulo da implementação de Pólos Industriais, o secretário do Estado da Indústria, Ivan Magalhães do Prado, disse que o sector está a trabalhar para encontrar financiamento para dar continuidade ao projecto, paralisado por razões da crise que assola o país.
“Por falta de recursos financeiros não foi possível darmos continuidade, mas estamos a trabalhar com sector das finanças, no sentido de encontrarmos financiamento para o efeito”, disse.
De acordo com o secretário, realizou-se recentemente, um concurso público para encontrar parcerias público-privadas, no sentido de dinamizar os parques industriais, mas que os resultados não têm sido satisfatórios.