O governo provincial do Zaire entendeu retirar a praça do local visado, para o bairro Bela Vista, onde construiu um mercado formal, com todas as infra-estruturas necessárias, para este fim. A administração municipal ao receber o novo mercado transferiu todos os mercadores que ocupavam o terreno para o novo espaço construído, mas grande parte deles ficou, por alegada distância do centro da cidade. “Com este historial pressupõe dizer que o terreno não pertence de alguém” reiterou a fonte, acrescentando que mesmo com a transferência do pessoal para o novo mercado da Bela Vista a invão do espaço da Shoprite continuaram a ponto de provocar o surgimento de estruturas consolidadas como armazéns que, actualmente, devem ser demolidos, para facilitar a implantação do parque de automóveis e os acessos ao novo supermercado. Para o arquitecto Cláudio Fortunato, não se pode remover os armazéns para outro lado, por envolver custos fabulosos. No encontro, continuou, ficou apurado que os proprietários dos armazéns trabalham em regime de aluguer do espaço, “razão pela qual, consideramos ser um tema que passa por negociação directa com os proprietários de terrenos e não dos armazéns”. O primeiro encontro entre a administração e os proprietários de armazéns produziu consensos que admitiam a cedência do terrenos aos proprietários de armazéns. Uma indemnização assumida pelo patrono do supermercado, que deu lugar as obras de construção de 15 novas lojas, para atribuir aos lesados. Um outro acordo alcançado entre as partes, diz respeito, além da construção dos armazéns na parte traseira do espaço em causa, a definição da tipologia de infra-estruturas atendendo as condições de mobilidade do pessoal e seus clientes. “Vão ser feitas todas infra-estruturas de acesso para os beneficiários, incluindo a rede de água e energia eléctrica em formas de galeria comercial”.