estrada Cuanza Norte/Malanje, no troço Lucala/Cacuso, em reabilitação há já algum tempo poderá estar concluída no mês de Outubro, segundo garantiu, recentemente, na região, o ministro da Construção e Obras Públicas,
Manuel Tavares de Almeida.
O governante que visitou as várias obras de recuperação das vias, nas duas províncias, assegurou que os recursos financeiros estão já mobilizados, sendo que nos próximos dias, o Ministério das Finanças irá proceder ao desbloqueio das verbas.

Quilómetros por asfaltar
Sete mil quilómetros (km) da rede fundamental de estradas do país necessitam de reabilitação, com vista a interligação da malha rodoviária nacional, informou, na terça-feira, em Ndalatando (Cuanza Norte), o director-geral do Inea, António Resende.
O responsável, que falava à imprensa no final de uma visita de constatação do nível de degradação e de recuperação das estradas do Cuanza Norte, efectuada pelo ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares de Almeida, explicou que dos sete mil quilómetros de estradas por reabilitar, quatro mil serão intervencionados e receberão tapete asfáltico pela primeira vez.
A rede fundamental de estradas do país é constituída por 26 mil quilómetros, dos quais 13 mil e 600 beneficiaram de reabilitação e colocação de tapete asfáltico pela primeira vez, outros sete mil foram adjudicados às empreiteiras para a reabilitação e outros sete mil quilómetros aguardam por financiamentos para a sua adjudicação e requalificação.

Cuanza Norte em obras
As obras de reabilitação dos troços rodoviários Maria Teresa/Dondo, Alto-Dondo/desvio da Munenga e Alto-Dondo/São Pedro da Quilemba, na província do Cuanza Norte, estarão concluídas no início do II semestre do corrente ano, fez saber na terça-feira, no Dondo, o ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares de Almeida.
Em declarações à Angop, Manuel Tavares de Almeida, que visitou as empreitadas, afirmou que os trabalhos decorrem dentro dos prazos contratuais e, ao que tudo indica, poderão estar concluídos até Agosto próximo, o que deixa confortadas as autoridades.
Indicou que o grau de execução varia de acordo com a especificidade de cada trajecto, sendo que o de Maria Teresa/Dondo, num percurso de 62 quilómetros encontra -se na ordem dos 16 por cento, enquanto o do Alto-Dondo/Munenga, com 61 quilómetros, está com perto
de 20 por cento de execução.
Já no trajecto Alto-Dondo/São Pedro da Quilemba, com 48 quilómetros, o governante estimou em 48 por cento o nível de execução.
Referiu que as obras serão objecto de verificação do Laboratório de Engenharia de Angola, que, mediante a utilização de equipamentos específicos, vai aferir a qualidade de resistência do traçado, geometria da estrada e o conforto do pavimento, sendo esta uma das exigências constantes no contrato, cujo cumprimento deve ser rigorosamente observado.
Sem avançar os custos, a fonte indicou estarem assegurados os financiamentos necessários para a conclusão dos trabalhos, dentro dos prazos previstos, quer para as empreiteiras, quanto para a fiscalização dos trabalhos, iniciados no IV trimestre de 2016.