A construção de um teleférico na fenda da Tundavala, na cidade do Lubango (Huíla), projectada pelo Executivo, vai tornar este local num dos pontos turísticos de referência de Angola e do continente africano, garantiu, na passada terça-feira, o chefe do departamento provincial da Hotelaria e Turismo, Osvaldo Lunda.
Segundo o responsável, que falava no encontro que o embaixador da República Popular da China em Angola, Cui Aimin, realizou com os membros das associações de turismo e operadores do sector na Huíla, disse que na Fenda da Tundavala, uma das sete maravilhas de Angola, estão disponíveis 360 hectares de concessão em área classificada naquele perímetro.
Informou que existe a concessão da área de terreno para desenvolver o projecto turístico com unidades de hotelaria e equipamentos turísticos a um investidor ou operador ao longo daquele perímetro.
A província da Huíla quer posicionar-se como parceira estratégica da China no projecto Obor/Bri, disse o responsável do departamento provincial da Hotelaria e Turismo na província, Osvaldo Lunda.
O responsável informou no encontro que o embaixador da China em Angola efectuou com as Associações de Turismo e Operadores Turísticos da Huíla, que a construção de infra-estruturas de apoio à produção interna e a actividade turística, na região é uma prioridade da província.
Afirmou que a província da Huíla quer tirar maior proveito possível do fórum para a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa.

Oportunidades de investimento
As oportunidades de investimento na área do turismo na Huíla estão baseadas no parque do Bicuar, Alto Bimbe, Caconda, Cristo Rei, Cuvango, Jamba, Miradouro da Leba, Senhora do Monte, Tchivingiro, Fenda da Tundavala, Lagoa da Tundavala.
Disse que no miradouro da Leba, estão disponíveis 88 hectares na área de intervenção, com uma zona de concessão para projecto turístico para unidades hoteleiras, equipamentos turísticos e infra-estruturas.
No complexo turístico da “Nossa Senhora do Monte”, referiu, existe 50 hectares de área de intervenção e 20 mil metros quadrados (m2) de concessão para projecto turístico com equipamentos desportivos.
Acrescentou que no Tchivinguiro existem 55 mil metros quadrados (m2) como área de intervenção e 30 mil m2 de área de concessão para projecto turístico.
Na mesma zona, 3 mil metros quadrados de área bruta estão destinados para a construção de unidades de hotelaria.
Esclareceu que aos investimentos iguais ou superiores a 1 milhão de dólares e aos investimentos internos igual ou superior a 5 milhões de dólares norte americanos, existe benefícios com base na Lei nº 14/15 de 11 de Agosto, onde na transferência para o exterior de dividendos ou lucros distribuídos, o produto da liquidação dos prazos máximo de benefício é de até 10 anos.
Osvaldo Lunda disse que a província da Huíla está localizada na zona de desenvolvimento A e nela existe ainda a lagoa da Tundavala, com 110 hectares de concessão na área, intervencionada com diferentes instalações recreativas e lazer.
Salientou igualmente a existência no município da Jamba, de 50 hectares em área de intervenção, com acesso privado ao lago, 20 mil metros quadrados de área de concessão para projectos hoteleiros.
No Cuvango existem 50 hectares em área de intervenção com acesso privado a cachoeiras. Já no perímetro do Cristo Rei estão disponíveis 14 hectares de área de intervenção, dos quais, oito mil metros quadrados para projectos hoteleiros.
No município de Caconda, estão disponíveis 50 hectares em área de intervenção, destes, 20 mil metros quadrados de área de concessão para projecto hoteleiro.

Interesse da China
O embaixador da China em Angola, Cui Aimi, informou ontem, no Lubango, que os empresários do seu país vão investir nos sectores da agricultura, logística e turismo na província da Huíla, no quadro da cooperação existente entre os dois países, em função do potencial da região.
Segundo o diplomata, a Huíla possui potencialidades em diversas áreas e vários empresários chineses estão interessados em investir na província.
“As áreas da agricultura, turismo e logística são sectores para desenvolver a cooperação entre os países”, disse, acrescentado que já existe contactos entre algumas empresas chinesas, com o governo provincial da Huíla para a realização de acções concretas nestes domínios.
Informou que algumas empresas do seu país já começaram a realizar trabalhos de preparação.
“Estamos certos que no futuro, mais empresas chinesas conseguirão vir à Huíla para desenvolverem negócios com empresários locais”, disse.
Garantiu que o Governo da China, no quadro da cooperação com a Angola, vai continuar a disponibilizar dinheiro no sentido de financiar os investimentos.
“Quando falamos de financiamentos, o Executivo central é que faz o planeamento de disposição destes recursos. Mas no futuro vai se experimentar novos modelos de financiamento a ser canalizado na Huíla e acredito que com estes recursos vai se impulsionar os investimentos entre as duas regiões”.
O diplomata reconheceu o período menos bom da economia mundial. Mas, garantiu que foram tomadas medidas, junto dos dois governos, para que permitem evitar os riscos na área dos investimentos.
Assegurou que no futuro vai se implementar medidas que visam fazer o aproveitamento das novas oportunidades, em função dos desafios que se impõem com a implementação de novos modelos de cooperação e de investimento de qualidade.
Teleférico é um transporte aéreo por cabo, de pessoas ou materiais, utilizando um cabo, ou cabos, para a sustentação e a tracção.