A dinamização do sector do turismo em Angola deve passar pela promoção e “acasalamento” da actividade turística nacional e internacional, para se aumentar as receitas nos cofres do Estado, considerou, na passada sexta-feira, no Lubango, província da Huíla, o director-geral do Instituto de Fomento Turístico (INFOTUR), Eugénio Clemente.
Este pressuposto, se for implementado, o sector hoteleiro e turístico estará mais desenvolvido, uma vez que os investimentos feitos no país são de gama internacional, disse à Angop, Eugénio Clemente, a propósito da actividade turística no país.
“É necessário termos a coragem de assumir esta responsabilidade e ultrapassá-la”, disse, depois de frisar que “devemos promover o turismo interno com o suporte internacional, para podermos ter o fluxo do movimento turístico estrangeiro e aumentarmos as receitas do Estado”.

Mais receitas
A par do aumento de receitas, disse, a envolvência entre o turismo nacional e o internacional poderá também promover a divulgação da actividade económica, religiosa, cultural entre outras.
Defendeu o melhoramento da situação de vistos de turismo para alavancar o sector, uma vez que as taxas de ocupação baixaram devido a este factor e a aplicação de modelos turísticos idênticos aos aplicados na região austral, nomeadamente na Namíbia, Zâmbia, Zimbabwe e África do Sul.
Segundo o responsável, é importante que se implemente estas ideias para que se possa manter os níveis de emprego e para que as unidades hoteleiras produzam através das taxas de ocupação, incorporando o turismo voltado à interligação entre a actividade nacional e internacional.