A União Europeia (UE) vai disponibilizar ao Governo angolano cerca de 11 mil milhões de kwanzas (65 milhões de euros) para financiar o projecto de Fortalecimento da Resiliência e Segurança Alimentar e Nutricional em Angola (FRESAN).
O projecto que começa a ser executado em Setembro próximo, está enquadrado no 11º Fundo Europeu de Desenvolvimento em Angola (FED), tem também como objectivo a redução da fome, pobreza e vulnerabilidade
à insegurança alimentar.
O projecto vai abranger nesta primeira fase as províncias do Cunene, Namibe e da Huíla todas localizadas no Sul de Angola.
Com uma duração de execução de cinco anos, o acordo foi assinado segunda-feira, em Luanda, entre o ministro do Planeamento e Desenvolvimento Territorial, Job Graça, e o embaixador da União Europeia em Angola, Tomas Ulicny testemunhado por dirigentes de várias personalidades do Governo angolano.
O ministro Job Graça referiu que este financiamento assenta fundamentalmente na prevenção dos fenómenos climáticos que têm afectado com maior frequência a região sul do país.
Já o embaixador da UE, Tomas Ulicny, afirmou que o acordo rubricado marca uma nova era na cooperação entre Angola e o bloco económico europeu para minimizar os problemas alimentares.
Segundo a delegação da UE, este processo resulta de um longo processo de formulação com as autoridades angolanas e parceiros de desenvolvimento como ministérios, governos provinciais, administrações municipais e organizações não governamentais.
Com a assinatura deste acordo as partes darão uma mais-valia no fortalecimento da resiliência e a produção da agricultura familiar, num contexto de alterações climáticas, através da assistência
e uso de novas tecnologias.
Melhorar a segurança alimentar e nutricional dos agregados familiares, aumento de consumo é outro
objectivo a atingir.
Acordo na educação
Ainda no passado mês de julho, foi assinado em Luanda, um acordo entre a União Europeia, o Camões, I.P. e a Expertise France, para a administração do Projecto de Revitalização do Ensino Técnico e da Formação Profissional
em Angola (RETFOP).
Para este projecto, a União Europeia financiou também 21,4 milhões de euros, para apoiar as instituições públicas do sector do Ensino Técnico e a Formação Profissional (ETFP), bem como a promoção de uma maior coordenação
com o sector privado.
Com o propósito, de melhoria dos currículos e qualificações, e o apoio à transição dos diplomados do Etfp para
o mercado de trabalho.
O Retfop responde às prioridades acordadas para a cooperação entre a União Europeia e Angola, e aos compromissos assumidos com Portugal para o desenvolvimento do Etfp em Angola.
A União Europeia considera que existe muitas oportunidades no sector da Agricultura, daí ter apostado para a alavancar a cooperação bilateral.