A informação foi avançada durante um workshop sobre avaliação do Fundo de Desenvolvimento Europeu (FED) em Angola, realizado,
recentemente, em Luanda.
O evento, presidido pelo embaixador e chefe da delegação da União Europeia em Angola, Tomás Ulicny, teve como objectivo promover a cooperação entre Angola e a União Europeia e iniciativas implementadas no terreno com apoio da comunidade. O investimento previsto vai ser canalizado para os sectores de ensino superior, agricultura, formação profissional,
água e saneamemnto básico. De 2008 a 2013, a UE financiou projectos e programas de cooperação estimados em 214 milhões de euros, através do Fundo de Desenvolvimento.
Na ocasião, o embaixador Tomás Ulicny disse que os investimentos foram direccionados, sobretudo, no apoio à administração pública, direitos humanos, saúde, protecção social, biodiversidade, desenvolvimento
local e apoio ao comércio. O diplomata europeu lembrou que em época de crise e de contenção é necessário conjugar esforços para reduzir os custos, rentabilizar recursos, bem como estimular a cooperação e as alianças estratégicas que garantam o
desenvolvimento sustentável.
Por sua vez, a delegada-adjunta da União Europeia, Marta Brites, disse que os projectos no ramo da agricultura têm como objectivo mitigar os efeitos da estiagem que tem assolado a região Centro e Sul, com destaque para as províncias do Cunene, Namibe e Huíla.
Como critério para a disponibilização do fundo para o interior de Angola, a União Europeia escolheu as regiões que possuem maior
densidade populacional.