Após o encerramento para obras de melhoramento e aumento da sua capacidade de recepção dos voos de médio e grande porte, em 2008, o aeroporto provincial de Malanje foi reinaugurado na semana passada, pelo ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, que na ocasião o considerou um bem que o Executivo coloca ao serviço das populações, visando o desenvolvimento económico da província e da região.

A infra-estrutura, completamente remodelada, custou aos cofres do Estado 10 milhões de dólares e integra uma sala de embarque normal com capacidade para 168 passageiros, contra as anteriores 25, e uma outra executiva que também é apoiada por um serviço de bar. Possui ainda 15 quartos de banho, seis balcões para check--in, raquetes detectoras que incluem sistema de raio X, tapete rolante que substitui o anterior, controlo mecânico de despacho de mercadorias e bagagens, além de outras importantes áreas de serviços que integram como restaurantes, lojas e bancos.

Ganhos

A estes ganhos significativos está também interligado o facto de a partir de amanhã, a companhia aérea nacional de bandeira (TAAG) retomar a frequência normal dos seus voos de carreira, efectuando o percurso triangular Luanda/Malanje/Saurimo e vice-versa/ com quatro voos semanais.

Conforme informações prestadas no local à imprensa, de quarta a sábado, com partida de Luanda às 10 horas, o voo terá como percurso Luanda /Saurimo/Malanje/Luanda, enquanto às quintas-feiras e aos domingos, no mesmo horário, a rota será Luanda/Malanje/Saurimo/ /Luanda.

Atendendo à estratégia empresarial de maior divulgação e promoção deste meio e canal, e a sua adequação às capacidades financeiras do mercado local as indicações avançam para uma tabela de preços que rondará os 80 dólares, equivalentes em kwanzas.

Chegada

O avião inaugural da TAAG, o Boeing 737 D2-TBX, com capacidade para 97 passageiros, dos quais 16 na classe executiva e 81 na económica, aterrou na remodelada pista de 2.200 metros de comprimento e 110 de largura, baptizada pelo corpo de bombeiros e sob o olhar atento dos populares, autoridades locais e do Governo central que integraram a comitiva oficial. Cumpria-se, assim, mais uma nobre tarefa de reposição do trâfego aéreo e, fazendo jus às palavras do presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e de Navegação Aérea (ENANA), Manuel Ceitas, todas as dificuldades fazem desde agora parte de um passado para esquecer.

O ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, garantiu na ocasião que o processo de remodelação (construção e reabilitação) dos aeroportos vai abranger as dezoito províncias do país, atendendo às estratégias do sector de dotar o país com estruturas modernas que sirvam de porta de entrada rumo ao desenvolvimento económico, conforme traçado pelo Executivo. Segundo disse, o aeroporto de Malanje vai, ainda, servir de catalizador na redução dos preços dos produtos, uma vez que o avião poderá facilitar também, juntamente com os outros meios de transporte de que a província dispõe, a circulação de pessoas e bens do interior para os grandes centros, com incidência directa nos sectores da Agricultura, Comércio e Indústria.

O governante referiu ainda que o aeroporto vai trazer outra dinâmica nos fluxos e trocas comerciais entre Malanje e as demais parcelas do país, consideradas as principais centros do consumo.

“Para os mais cépticos, está aqui uma demonstração do que o Governo angolano é capaz”, disse.

Planos do sector

O plano concebido para o desenvolvimento integral do sector dos transportes aéreos no país e que está a ser levado a cabo pelo Executivo prevê a reabilitação de 30 aeroportos em todas as províncias e está orçado em 400 milhões de dólares. Este projecto visa conferir aos aeroportos mecanismos eficazes, conforme exigências das organizações internacionais de navegação aérea, como é o caso do Instituto Internacional de Aviação Civil (ICAO). Deste modo, os aeroportos de maior movimentação do país estão a receber intervenções de vulto, enquanto os menores estão a ser recuperados e em alguns casos ampliadas as pistas e outras áreas de serviço.

Antes, de Malanje, foram reinaugurados os aeroportos de Benguela, Cabinda, Huíla e Luanda, províncias que albergaram em Janeiro do ano passado as séries do Campeonato Africano das Nações (CAN/2010). Para os próximos tempos, está prevista, no âmbito do programa de modernização dos tranportes, a apresentação dos aeroportos das cidades de Negage (Uíje), Dundo (Lunda-Norte), Mbanza Congo, Nzeto e Soyo (Zaire), devendo também merecer atenção cuidada os aeroportos do Huambo e Kuito (Bié). Constam ainda dos programas do sector a recuperação dos aeroportos do Sumbe (Kwanza-Sul), Ondjiva (Cunene) e Luena (Moxico).

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação