Mais de 115 mil cidadãos tentam a sua sorte nas 2.390 residências entre apartamentos e vivendas que estão disponíveis para “venda livre”, na centralidade do Zango 5, em Luanda, cujas candidaturas foram abertas no dia 27 de Janeiro e que terminaram a 5 de Fevereiro.
Segundo uma fonte do Ministério do Ordenamento do Território e Habitação, hoje, sexta-feira, será feito o balanço do processo das candidaturas.
O início do processo de candidaturas via internet para compra de casas no Zango 5 ficou marcado por constantes falhas no site de candidaturas da Imogestin, tendo causado inúmeros problemas por parte dos concorrentes.
Os principais constrangimentos vividos pelos cidadãos que desde as primeiras horas do dia 27 de Janeiro tentaram a sorte para a aquisição de uma casa na centralidade do Zango 5 constavam a escolha da tipologia de habitação, projecto habitacional, selecção do município de residência e erro no momento de envio das candidaturas.
Na centralidade foram construídas 7.964 unidades habitacionais das quais 40 por cento já foram comercializadas para a Função Pública e 30 para as grandes empresas públicas e privadas.
As casas que serão comercializadas a pessoas singulares, denominada “venda livre” que corresponde a 30 por cento.

Casas disponíveis
Para esta fase, estão disponíveis 2.390 habitações das quais 320 vivendas T3 isoladas, 452 vivendas geminadas e mil 618 apartamentos, distribuídos em três modalidades, designadamente, arrendamento urbano, propriedade resolúvel e pronto pagamento.
A modalidade de arrendamento urbano reserva mil 939 residências, sendo 134 vivendas T3 isoladas, 302 vivendas geminadas e mil 503 apartamentos.
Para propriedade resolúvel, estão disponíveis 411 casas (146 vivendas T3 isoladas, 150 vivendas geminadas e 115 apartamentos). Na modalidade de pronto pagamento estão apenas disponíveis 40 vivendas isoladas.