A cidade de Luanda acolheu, esta semana, o concurso que vai catalogar, organizar e eleger as “Sete Maravilhas Naturais de Angola”. O concurso foi lançado, recentemente, na capital pela empresa “Natural 7 Wonders” licenciada pela fundação suíça “New 7 Wonders”, que está a organizar o evento no país com uma colaboração de especialistas angolanos para fazerem o levantamento das belezas naturais do país. O objectivo é escolher os lugares que pela sua estrutura e beleza apresentam qualidades para serem eleitos como maravilhas nacionais.

Para Luís Segadães, presidente das “Sete Maravilhas Naturais”,  trata-se de uma oportunidade única para Angola mostrar ao mundo as suas maravilhas naturais, na medida em que vai incentivar o turismo interno e atrair mais turistas. “Serão consideradas maravilhas naturais os monumentos naturais em território angolano que contém um ou mais aspectos de raridade ou representatividade em termos ecológicos, estéticos, científicos e culturais”, esclareceu.Das 400 paisagens estudadas, serão escolhidas como finalistas um total de 27, presente, no mínimo, um finalista de cada uma das 18 províncias angolanas.

Divulgação
Os resultados finais da selecção serão apresentados no próximo mês, depois de feitas as prospecções nas 18 províncias . A lista com as candidatas naturais mais relevantes será do conhecimendo do público, que poderá votar, via SMS, a partir do dia 17 de Julho até 7 de Outubro do corrente ano. A cerimónia final para divulgação das “Sete Maravilhas Naturais de Angola” está marcada para o dia 12 de Outubro, na Baía de Luanda. As candidaturas foram organizadas em sete categorias, que representam a diversidade paisagística de Angola como os grandes relevos, praias, falésias, quedas de água, rios e lagos, grutas, cavernas e áreas protegidas. As vencedoras serão apuradas pelo maior número de votos e não serão eleitas mais do que duas maravilhas por província.

Propósito do concurso
Angola é o primeiro país africano que vai eleger as suas sete maravilhas naturais, numa homenagem ao património natural e à riqueza ambiental através de uma escolha que será feita pelos cidadãos nacionais. O projecto visa promover a qualidade ambiental do país, a existência de locais de rara beleza, património natural único e de dimensão inigualável, bem como a biodiversidade e lança as bases para o desenvolvimento turístico do país.

Fundação
A fundação Novas Sete Maravilhas (New 7 Wonders) tem a sua sede em Zurique, Suíça e foi fundada em 2001 pelo filantropo suíço Bernardo Weber para eleger as Novas Sete Maravilhas do mundo. Em conjunto com a Unesco, a fundação reuniu um painel científico constituído por sete especialistas para seleccionar 21 monumentos finalistas classificados pela Unesco como património da humanidade anteriores ao século XXI, de uma lista prévia de 77 monumentos de todo o mundo. Para Bernardo Weber, quando se quer salvar algo é preciso primeiro saber apreciá-lo realmente para preservar.