A centralidade do Kilamba, em Luanda, acolhe, no dia 17 de Setembro, data em que nasceu o primeiro Presidente da República de Angola, António Agostinho Neto, uma exposição com 12 fotografias em homenagem ao Dia do Herói Nacional.
A mesma é inaugurada hoje, sexta-feira (15), naquela centralidade, pelo fotógrafo angolano Chilala Moco, com o título “Geração Kilamba” e estará patente no Xyami Shopping até ao dia 30 do corrente mês. A exposição terá o seu ponto alto no domingo, dia em que o fotógrafo, político, poeta e médico, vai estar no local da actividade a interagir com os visitantes. Esperam-se também um pouco por todo país deposições de coroa de flores em homenagem ao herói nacional.

Feitos de Neto

Os feitos e as obras de António Agostinho Neto são recordados todos os anos desde a sua morte em 1979, em Moscovo, e são feitoscomo forma de divulgar o legado deixado pelo “Poeta Maior” aos jovens. O trajecto de António Agostinho Neto continuará a ser apresentado ao público, como forma de inspirar os jovens a serem mais criativos e a terem um espírito nacionalista, assente na tradição e na identidade.
António Agostinho Neto nasceu em no Icolo e Bengo, a 17 de Setembro de 1922 e morreu no dia 10 do mesmo mês em 1979. Ele foi médico, formado nas Universidades de Coimbra e de Lisboa e além disso Presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), em 1975 tornou-se no primeiro Presidente de Angola até 1979. Em 1975-1976 foi-lhe atribuído o prémio Lénine da paz.

Momentos difíceis

Agostinho Neto fez parte da geração de estudantes africanos que viria a desempenhar um papel decisivo na independência dos seus países naquela que ficou designada como a Guerra Colonial Portuguesa. Foi preso pela Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE), a polícia política do regime Salazarista então vigente em Portugal, e deportado para o Tarrafal, uma prisão política em Cabo Verde, sendo-lhe depois fixada residência em Portugal, de onde fugiu para o exílio. Aí assumiu a direcção do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), do qual já era presidente honorário desde 1962. Em paralelo, desenvolveu uma actividade literária, escrevendo nomeadamente poemas.
Um pouco por todo país esperam-se actividades em prol da data do herói nacional e do poeta maior. Por exemplo, membros do Conselho Provincial da Juventude do Uíge efectuaram esta semana uma visita ao Museu Etnográfico do Congo, onde passaram a conhecer melhor a vida e obra do primeiro Presidente da República de Angola, António Agostinho Neto.
No final da visita, o secretário adjunto do Conselho Provincial da Juventude do Uíge, Hélio Eduardo, explicou que o objectivo da actividade foi saudar o 17 de Setembro, Dia do Herói Nacional, e dar a conhecer aos jovens mais feitos de Agostinho Neto.
Informou que para saudar o Dia do Herói Nacional, o Conselho da Juventude do Uíge vai ainda promover palestras nas escolas dirigidas aos alunos do II ciclo do ensino secundário.
Ressaltou que Agostinho Neto foi um grande homem de cultura, por isso o Conselho da Juventude do Uíge está a realizar várias actividades, que decorrem sob o lema “Juventude o futuro nas nossas mãos”, para saudar o 17 de Setembro.
Por sua vez, o chefe de Departamento do Património, Monumentos e Sítios do sector da Cultura do Uíge, Pedro Cenas, agradeceu a visita ao museu e apelou aos jovens a seguirem o exemplo de António Agostinho Neto, que empenhou-se para o engrandecimento
da cultura angolana.
“É necessário que os jovens valorizem mais os hábitos e costumes da nossa terra, no sentido de engrandecer mais a cultura angolana”, salientou.