Para assegurar a realização de actividades e iniciativas que visam a identificação, estudo, conservação, valorização e divulgação do património histórico e cultural junto das casas de cultura, centros culturais no país e na diáspora, o Ministério da Cultura e a Fundação Sagrada Esperança assinaram esta semana, em Luanda, um protocolo de cooperação.
O protocolo assinado pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, e pelo presidente do Conselho de Administração da Fundação Sagrada Esperança, Roberto de Almeida, assenta, essencialmente, nas áreas de espectáculos músico-culturais, teatro, artesanato, casas de cultura locais e na diáspora, promoção do livro e da leitura pública, conservação e valorização do património nacional.
As duas instituições apostam ainda na promoção da cooperação e o intercâmbio, envolvendo outros agentes culturais e mecenas, com o objectivo de promover a difusão das actividades culturais e artísticas de Angola, palestras que visam criar condições para o aumento da consciência jurídica e da execução de projectos culturais no âmbito das tarefas definidas pelo Executivo e promover e valorizar a cultura e as artes, através de organismos
e instituições culturais.
Propõem-se igualmente, com o protocolo em causa, realizar acções para a obtenção de apoios internacionais para implementar programas, no âmbito
da sensibilização e formação.
Para a ministra carolina Cerqueira, estão lançadas as bases para o reforço da cooperação com a fundação cuja importância congrega os valores da identidade nacional, da educação cívica e moral, que devem ser transmitidos as novas gerações.
Por seu turno, o PCA da Fundação Sagrada Esperança, Roberto de Almeida, destacou que o protocolo tem a particularidade de ser celebrado numa altura em que a instituição assinala 20 anos de existência dedicados à cultura angolana.