A actual situação do cinema angolano, caracterizado pela estagnação, com falta de financiamento dos projectos, profissionais com necessidade de formação e falta de salas para a exibição das poucas obras produzidas, esteve em debate durante a realização do VII Conselho Consultivo do Ministério da Cultura que decorreu na província do Bengo de 27 a 28 do corrente mês.
Os agentes defendem a recuperação e preservação do património cinematográfico nacional, o ressurgimento do Fundo de Desenvolvimento do Cinema e a produção de diplomas complementares à regulação do sector do cinema e audiovisuais. Os participantes ao evento apontaram ainda, para a necessidade de se apresentarem propostas para o modelo de utilização da Ex-Tourada, das antigas instalações da Assembleia Nacional e do Teatro Avenida.
Segundo a Angop,durante dois dias, os membros do Conselho Consultivo Alargado analisaram o programa de acção do sector cultural incluído no Plano Nacional de Desenvolvimento 2018-2022, os programas ligados à valorização e dinamização do património histórico-cultural, os projectos de candidaturas do Cuito Cuanavale e do Corredor do Kwanza na lista do património mundial.
Em agenda estiveram igualmente aspectos ligados aos programas de fomento das artes e das indústrias culturais e criativas, a diplomacia cultural, programas culturais provinciais, municipais e locais.