A estilista moçambicana Sara de Almeida considerou, recentemente, em Luanda, positivo o intercâmbio dos fazedores da moda entre o seu país e Angola, pelo facto de existirem eventos regulares de ambas as partes.

A estilista, que falou à Angop a propósito da realização da 30ª edição da Feira Internacional de Luanda (FIL), a decorrer de 16 a 21 deste mês, estimou as relações entre os criadores da moda de Angola e de Moçambique, a julgar pelos eventos conjuntos já realizados. “O intercâmbio entre os dois países é positivo, visto que frequentemente é notável o número de moçambicanos a participarem em eventos em Angola e vice-versa”, reconheceu.

Expressou a necessidade da fusão de marcas e a criação de grandes indústrias de marcas com a colaboração dos fazedores de moda nos Países da Comunidade da África Austral (SADC).Notou que a indústria de moda nesta comunidade tem estado a emergir de forma notável, comparativamente aos tempos passados, pois já se observa, com regularidade, a realização de eventos que engrandecem e estimulam os estilistas.

Segundo a criadora, na FIL irá apresentar 50 camisas masculinas de moda africana “casual-chick” e 100 femininas, em estilo cerimonial e casual, ao mesmo tempo que aproveita o evento para divulgar a 1ª edição da Fashion Business Moçambique (FBM), a decorrer de 5 a 8 de Setembro deste ano, em Maputo. A 30ª edição da FIL é a mais representativa ao longo dos 30 anos de existência do certame e conta com mais de mil expositores nacionais e estrangeiros provenientes de 35 países de África, América, Europa e Ásia.

 A actividade, de carácter multissectorial, junta anualmente (desde 1983), empreendedores nacionais e estrangeiros com o propósito de fomentar o estabelecimento de contactos para parcerias empresariais e atrair investimentos para o país.  Este ano, a feira decorrerá sob o lema “Os desafios da atracção de investimento: estratégia, legislação, instituições, infra-estruturas
e recursos humanos”.