O evento deste ano, aberto pela ministra da Cultura, Maria da Piedade Jesus, regista um incremento de 60 participantes em relação à edição de 2018 (40 expositores).
Na presente edição, o certame que acontece sob o signo “Luanda é Leitura” congrega representantes de bibliotecas, livrarias, editoras e produtoras musicais de referência em Angola, entre as quais a União dos Escritores Angolanos (UEA).
Estão também entre os expositores a Biblioteca Multicultura, as livrarias Irmãs Paulinas, Cheikh Anta Diop, Novo Chá de Caxinde, Magas, Criativa e Lemos.
A esses juntam-se, entre outros, os editores Acácias, Where Angola e Mayamba, bem como os produtores LS Produções, Movimento Litteragris, Instituto Nacional das Indústrias Culturais, ISTC, International Angola SucessTraning, Jesus Vive em Mim, AMS-Comercial, Comunidade Islâmica de Angola e Projecto de Educação Musical para a Saúde.
Participam ainda, a título individual, os cantores e compositores angolanos Carlos Lamartinte, Voto Gonçalves, Tonito, Anabela Aya, Cídia Boyoth e Érica Nelumba, além dos escritores Filomeno Pascoal e Miguel Francisco.
Durante sete dias, os participantes vão promover palestras e sessões de venda e autógrafos de livros e discos de autores nacionais e estrangeiros.
O evento, realizado pelo Governo Provincial de Luanda, com produção da Arte Viva, Edições e Eventos Culturais, prevê oferecer igualmente aos visitantes concertos e recitais de poesia.
“A intenção é congregar o maior número de expositores e acabar com a ideia de que existem em Luanda poucas livrarias e editoras”, expressou o responsável da Arte Viva, Jomo Fortunato.