Algumas das doenças conhecidas foram baptizadas com o nome dos cientistas ou médicos que as descobriram, ou que tiveram uma grande influência na especialidade em causa. Outras assumiram a designação de alguém que sofreu com elas, entre estes estão:

1. James Parkinson - médico e paleontologista inglês, descreveu pela primeira vez em 1817, na sua obra ‘Essay on Shaking Palsy’, uma doença da idade adulta, de evolução lenta, mais frequente no homem do que na mulher, a que chamou “paralisia agitante”. Mais tarde, em 1875, ele foi homenageado, tendo sido atribuído o seu nome à doença que tinha descrito, sugestão feita pelo neurologista francês Jean-Martin Charcot.

2. Charles Bell - cirurgião e anatomista escocês, foi-lhe atribuída a descoberta da agora chamada paralisia de Bell, paralisia facial que provoca a incapacidade de mover os músculos de um lado da cara. Inicialmente, chamou-lhe “mononeuropatia aguda”. Por existirem diferentes tipos de paralisia, tendo em conta as várias origens que podem levar a que isto aconteça, normalmente, chama-se paralisia de Bell àquela cuja causa é desconhecida.

3. John Langdon Down - conhecido pelo trabalho que desenvolveu com crianças com doenças mentais, Down era médico. Também conhecida por trissomia 21, por a doença ser causada pela existência de três cromossomas 21, em vez de apenas dois, a síndrome de Down foi pela primeira vez descrita por este inglês, em 1962.

4. Sir Joseph Lister - o seu interesse pelas infecções bacterianas conduziu-o à descoberta da que viria a ser chamada listeriose, em sua homenagem. Esta é uma intoxicação alimentar provocada por uma bactéria chamada listeria.

5. Guillaume Duchenne de Boulogne - Existem diferentes tipos de distrofia muscular, mas a distrofia muscular progressiva de Duchenne é a mais comum, estimando-se que atinja um em cada três mil meninos (por ser uma doença cuja origem está no cromossoma X, afecta principalmente pessoas do sexo masculino).

6. Gerhard Armauer Hans - Já ouviu falar em hanseníase? Com este nome talvez não, mas é a mesma doença que conhecemos por lepra. Contudo, também lhe é dado o nome de hanseníase como forma de homenagear Gerhard Hans, o bacteriologista e dermatologista norueguês que descobriu o microrganismo que provoca esta infecção, conhecida como “a mais antiga do mundo”, que danifica a pele e os nervos.

7. Georges Gilles de la Tourette - quando, em 1885, Tourette descreveu a doença caracterizada por tiques, movimentos rápidos e vocalizações repetidas com frequência, começou por a chamar de “doença dos tiques convulsivos com coprolalia”.

8. Antoine Marfan - conhecida como aracnodactilia, a síndrome de Marfan foi descrita pela primeira vez pelo pediatra francês com o mesmo nome em 1885. Por provocar o crescimento anormal de vários membros, esta doença também pode afectar alguns dos órgãos internos, como é o caso dos pulmões, vasos sanguíneos e até do coração. Neste caso, os defeitos provocados pela síndrome podem causar problemas nas válvulas e na artéria aorta.

9. Aloysius Alzheimer - ainda não se encontrou cura para a doença descoberta por este alemão. Associada à demência, o seu autor mencionou-a pela primeira vez em 1906, durante um congresso que ocorreu no seu país, chamando-a “doença do córtex cerebral”. Estima-se que existam actualmente 25 milhões de pessoas a sofrer de Alzheimer em todo o mundo.

10. Lou Gehrig - é mais conhecida como esclerose lateral amiotrófica, mas também lhe chamam doença de Lou Gehrig pelo facto de, em 1939, um jogador americano de basebol com o mesmo nome, então com 36 anos, ter sido despedido por sofrer desta doença rara caracterizada pela deterioração do sistema nervoso que controla os movimentos do corpo.