Reza a história, que foi no dia 25 de Janeiro do longínquo ano de 1576 que aconteceu a fundação da cidade de Luanda, completando, portanto, 441 anos de existência.
Foi desta forma que o governador e também presidente da Comissão Administrativa da cidade capital, Higino Lopes Carneiro, abriu, esta semana, a sua mensagem aos munícipes de Luanda, por ocasião de mais um aniversário da emblemática cidade de Luanda e capital da República de Angola, que aproveitou a ocasião para felicitar os cidadãos.
Para o governador, durante este último período foram inúmeras as conquistas e transformações operadas neste espaço territorial, que transformaram Luanda numa verdadeira cidade de acolhimento, ao receber todos os que a partir do interior e do exterior necessitavam de protecção e espaço para prosseguirem a sua vida.
Segundo Higino Carneiro, a explosão demográfica daí resultante originou enormes constrangimentos ao nível da sua capacidade infra-estrutural, mas igualmente potenciou Luanda com uma diversidade humana muito criativa, prenhe de soluções sui generis, que são ainda a marca de referência desta cidade, cuja modernização das suas linhas arquitectónicas, ampliação do casco urbano e acréscimo da cintura periférica acompanharam esse crescimento, mas nem sempre de forma ordenada. “Paulatinamente, essa realidade tem vindo a ser favoravelmente alterada, graças a um grande empenho colectivo e a um enorme esforço quer institucional como privado e da sociedade em geral”, avançou.
Não obstante as restrições financeiras e a escassez de recursos que marcam actualmente a economia, o governador afirma, que são várias as melhorias verificadas em sectores vitais, como a habitação, a requalificação urbana, o fornecimento de energia e água, o saneamento básico, a humanização dos serviços de saúde e a ampliação da rede escolar e adiantou que diversas intervenções estão em curso e outras prestes a arrancar para melhorar a circulação e mobilidade rodoviária, assim os esforços para manter baixos e controlados a criminalidade. “Temos noção dos inúmeros desafios a enfrentar e dos obstáculos a ultrapassar para melhorar a qualidade de vida e reduzir o índice de pobreza”, concluiu.