A história é um objecto é o título da primeira exposição de escultura do artista plástico angolano Hildebrando de Melo a ser inaugurada
no dia 24 deste mês no Centro Cultural Portugês, em Luanda, numa exposição que ficará patente até dia 15 de Dezembro.
Nesta sua primeira incursão na tridimensionalidade, Hildebrando de Melo apresentará um conjunto de 16 obras de escultura, em metal
e formas soldadas, resultado de um prolongado período de experimentação em estúdio.
Segundo a crítica de Arte & Galerista Valerie Kabov, a que a Angop teve acesso, embora a abordagem característica de Hildebrando
de Melo às formas seja imediatamente reconhecível nesta encarnação a três dimensões, há algo de novo que perpassa.
“Estas construções estranhas, mas decididamente com formas de criaturas, constituem, de uma maneira ou de outra, confirmações
fundacionais das ideias que, dealguma forma, pairavam sobre as obras bidimensionais do artista.
Nas referidas obras e na exposição, a história, e o impacto que tem sobre a totalidade da existência humana, ganha corpo. A história
não é um tema ou o tema desta exposição. O tema da exposição é o nosso sentido de humanidade e a história é um objecto no qual a nossa humanidade se encontra gravada”, lê-se na nota crítica.
Hildebrando de Melo nasceu no Huambo, no município do Bailundo, em 1978 . Fez os seus estudos em Portugal. É autodidacta. Fez o curso de Pintura na Associação das Lameiras V.N. de Famalicão. Participou em seminários com curadores internacionais em múltiplos países, designadamente, África do Sul, EUA e Alemanha.
No seu percurso artístico, conta com mais de duas dezenas de exposições (individuais e colectivas) apresentadas em vários países, designadamente Angola, Portugal, EUA e Alemanha.
Foi vencedor do prémio Ensarte/2004 na categoria “Juventude” e recebeu a Menção Honrosa do mesmo certame em 2014. É detentor do galardão do concurso “Sona Desenhos na Areia” da empresa petrolífera norueguesa Nosk Hydro.