A obra em referência traz a público textos de renomados historiadores angolanos e estrangeiros, entre os quais Rosa Cruz e Silva, Carlos Liberato, Mariana Cândido, Paul Lovejoy e Renée Soulodre-la.
Trata-se de uma compilação de textos de historiadores que trazem a público um vasto leque de informações sobre o tráfico de escravos, com principal realce para o ocorrido na região central do continente africano.
Falando sobre o livro, o historiador e director da Biblioteca Nacional de Angola, João Pedro Lourenço, afirmou que vai enriquecer ainda mais o vasto acervo bibliográfico da instituição, tendo em conta o seu conteúdo.
Já a directora do Arquivo Nacional de Angola, Alexandra Aparício, desafiou os estudantes, em função das informações que têm ao dispor, a apostarem em trabalhos de fim de curso sobre o processo do tráfico de escravos em Angola.
De acordo com a historiadora, é uma temática que deve ser explorada para que as novas e futuras gerações saibam tudo o que diz respeito
ao tráfico de escravos.
O director do Museu Nacional da Escravatura, Vladmiro Fortuna, enalteceu o contributo dos autores dos textos, afirmando que se trata de um livro que é uma continuidade de um vasto trabalho que tem sido realizado ao longo dos tempos sobre o tráfico de escravos.
O também historiador avança que a história de Angola, em particular, e do continente africano em geral, deve ser perpetuada com a produção
de material bibliográfico.