A cantora brasileira, Loalwa Braz Vieira, assassinada, recentemente na sua residência, no Brasil, nasceu no Rio de Janeiro, a 3 de Junho de 1953 e foi morta em Saquarema, no dia 19 de Janeiro de 2017. Além de cantora, foi também empresária. Em vida viveu entre a França e o Brasil desde 2001 e na Suíça desde 2010, tendo sido a vocalista principal do grupo Kaoma, eternos criadores do estilo musical lambada.

Trajectória
Loalwa nasceu e foi criada em Jacarepaguá, zona Oeste do Rio de Janeiro, no seio de uma família de classe média composta por músicos. O pai dela era chefe de uma orquestra popular e a sua mãe, pianista clássica. A artista sempre foi influenciada pela música e desde a infância decidiu seguir este caminho. Aprendeu a tocar piano clássico aos quatro anos, e foi com este instrumento que começa a sua carreira aos 12 anos de idade. Ela sofreu preconceito no início da sua carreira, pois, apesar de ter formação em música clássica, optou por cantar ritmos mais populares, sendo a sua grande marca de sucesso.
Em 1985, decide viver em Paris após o show “Brésil en Fête no Palais des Sports”, conhecido concurso para escolher uma vocalista para um grupo de lambada, Loalwa passou a integrar a banda Kaoma, grupo que durou de 1989 até 1998, quando lançou o seu último álbum na Europa.
Loalwa nunca parou e seguiu cantando em português, continuando a levar o ritmo pelo mundo. Apresentou-se no Paradis Latin, Méridien (Paris), Olympia (88 e 92), TLP Dejazet, New Morning, Zenith, Madison Square Garden, London Palladium, Waldorf, Astoria e outros. Seguiu mais tarde uma carreira solo e dirigia a sua firma Braz Brasil Produções, para a divulgação das artes brasileiras através dos continentes.Em 2011 lançou novo disco solo, Ensolarado, com participação de artistas da Áfri