Há músicos que pelo sucesso em várias paragens perdem automaticamente a nacionalidade profissional, deixam de pertencer ao país de origem e passam a pertencer ao mundo, como é o caso do angolano Samuel Mangwana, cartaz do Show do Mês de Agosto.
Não é do Congo, não é de Angola, mas sim do mundo. As suas músicas são ouvidas em África, América, Ásia e Europa, tendo no seu curriculum várias actuações em qualquer destes continentes.
No seu país de origem (Angola) teve o seu momento nos anos 70, estendendo-se até aos anos 80, mas de lá para cá “desapareceu” dos grandes palcos nacionais, não por falta de qualidade, mas sim porque o mercado mudou, passando a consumir mais temas superficiais (quantidade) e a valorizar menos os ícones nacionais.
Os dois últimos álbuns (2003/2005), cantados especificamente para Angola, tiveram mais sucesso na Europa do que no país.
Temas como “Pátria querida”, “Maria tebo”, “Canção de saudades”, “Tio António” representam o passado e o presente de Angola e fruto do seu conteúdo tornaram-se intemporais. Portanto, é um paradoxo faltar palcos para este grande “monstro” da música, do género Rumba em particular. Nos dias 31 de Agosto e 1 de Setembro Sam Mangwana será o cartaz do projecto musical Show do Mês, que marcará o seu regresso aos palcos.