A cantora norte-americana Tina Turner pensou em recorrer à eutanásia quando lhe foi diagnosticado um cancro no intestino, em Abril de 2016. Nessa altura, além do cancro, a cantora também sofria de insuficiência renal. Mas tudo mudou quando o marido Erwin Bach se ofereceu para lhe doar um rim. As revelações foram feitas na autobiografia “My Love Story” publicada recentemente, noticia o jornal espanhol ABC.
A cantora, que fez 79 anos esta terça-feira (27), sofreu de violência doméstica com o anterior companheiro, Iker Turner. Mas voltou a encontrar o amor ao lado do produtor musical Erwin Bach. A 19 de Julho de 2003 casou-se com o produtor, contudo, aquele que esperava ser um dos dias mais felizes da sua vida viria a revelar-se dramático. “Durante a cerimónia comecei a sentir que alguma coisa não estava bem”, conta a cantora. Três meses depois sentiu fortes cólicas que a deixaram semiparalisada e acabou por ser hospitalizada.
Após vários exames médicos, disseram-lhe que tinha apenas 35 por cento de capacidade renal. Nesse momento, tudo mudou e a reacção à doença não foi a melhor. Para fugir à medicação optou pelo tratamento homeopático que lhe agravou fortemente o estado de saúde. O sistema renal enfraqueceu e os novos exames detectaram 20 por cento de capacidade renal. Foi aí que pensou recorrer à eutanásia.
Em 2016, inscreveu-se na lista da Exit, uma organização que apoia o suicídio assistido. Decidida a acabar com a vida, só faltava comunicar a decisão ao companheiro. Quando o fez, Erwin Bach foi totalmente contra a decisão. “O meu marido disse que éramos muito felizes e que faria qualquer coisa para que ficássemos juntos”, conta a artista.