Ministério da Cultura procedeu esta semana, em Luanda, a atribuição de diplomas de honra a cinco entidades angolanas, pela sua contribuição na preservação e divulgação da cultura nacional.
Na cerimónia, realizada no Museu de História Natural, foram entregues os diplomas à Associação Instituto Piaget de Angola, à Trienal de Luanda, o Festival de Teatro do Cazenga (Festeca), à empresa Refriango e à Associação dos Artistas Plásticos de Cabinda.
Em representação da ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, o secretário de Estado do sector, João Constantino, além de congratular os laureados, anunciou as iniciativas a serem desenvolvidas pelo Ministério da Cultura, este ano.
“Para este ano, destaca-se a municipalização da cultura, a formação artística e a economia da cultura”, ressaltou.
Segundo o responsável, a materialização dos três projectos exigirão do sector maior espírito criativo na interacção com os artistas e parceiros sociais.
“De acordo com a política cultural angolana, o sector empresarial possui dinâmica capaz de promover, de maneira acelerada, a divulgação e consumo de bens culturais, bem como incentivar a sua produção”, salientou.
Neste sentido, João Constantino acredita que as empresas, privadas ou públicas, são protagonistas privilegiados do desenvolvimento cultural, “principalmente, ao associar a sua imagem a movimentos culturais”.
“Não se trata, no entanto, de um custo para a empresa. Pelo contrário, é um ganho. Pelos efeitos multiplicadores a médio ou longo prazo”, referiu.
Por seu lado, o representante da Refriango, João dos Santos, enalteceu a iniciativa do Ministério da Cultura e garantiu que a empresa vai continuar a desenvolver projectos de apoio às artes e à cultura.
Disse que, apesar das limitações impostas pela conjuntura económica e financeira do país, a Refriango está a desenvolver outros projectos de divulgação e apoio à cultura que, “em tempo oportuno serão divulgados.”
A outorga de diplomas de honra enquadrou -se no âmbito do Dia da Cultura Nacional, celebrado a 8 de Janeiro, cujo acto central, neste ano, decorreu na província de Cabinda.
O Dia da Cultura Nacional foi instituído em 1979 por altura da tomada de posse do primeiro corpo directivo da União dos Escritores Angolanos (UEA), cuja cerimónia foi presenciada pelo então Presidente da República, António Agostinho Neto.