Como locais de transmissão de conhecimentos sobre os povos, os museus recebem diariamente centenas de visitantes ávidos em conhecer a história de determinadas regiões de Angola, passando por todos os aspectos do desenvolvimento cultural.
Para atrair o público, as instituições museológicas de Luanda, de acordo com os seus responsáveis, nomeadamente, Álvaro Jorge, Vladimir Russo e Maria Gumbe, afirmam que têm no seu leque de programas espaços educativos para melhor elucidarem os visitantes sobre o real valor e importância no mosaico sócio cultural angolano.
No âmbito do 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus, à Angop passou em revista o actual estado das instituições museológicas com o intuito de trazer a público informações sobre o seu quotidiano.

Museu de História Natural

O Museu de História Natural representa a fauna angolana, por ser o património natural. “Temos espécies de raríssima aparição pública que nem sempre se tem a possibilidade de ver a olho nu sem a necessidade de se viajar a lugares distantes, no caso o Parque Nacional da Quissama, para ter contacto com as mesmas”, adianta a directora da
instituição Maria Gume.

Museu Nacional da Escravatura

O seu director, Vladimir Fortuna, afirma que o museu tem estado a prestar um serviço importante na sociedade, na medida em que procura transmitir informação sobre a escravatura e tráfico de escravos e ao mesmo tempo formar mentes. “Ao passarmos informações sobre esse passado histórico, procuramos educar os cidadãos no sentido de rejeitar de todas as formas a exploração e opressão entre os seres humanos”, reforçou.

Museu da Antropologia

O seu director, Álvaro Jorge, disse que o museu recebeu um programa para educação das comunidades, que são duas exposições permanentes que fazem com que o público adira de forma massiva o local. Actualmente, o museu regista 15.272 visitantes ano, com uma média mensal de 1.272. O grupo infanto-juvenil é que mais visita o museu, que se interessam, fundamentalmente, com o espaço de lazer e a observação das máscaras.

Museu da moeda

O “cassula” dos museus de Angola, com menos de um ano de vida, tem uma colecção constituída por moedas que marcaram as várias etapas económicas e financeiras de Angola. Os visitantes que afluem o local procuram conhecer a história da moeda de Angola desde os tempos antigos até ao actual, bem como ouvir a história da educação financeira-um novo programa que tem a ver com a cidadania financeira que abrange as finanças pessoais.

Museu de História Militar

Antigo Museu das Forças Armadas, a instituição acolhe material bélico e outros objectos usados por angolanos na luta contra a repressão colonial, pelos movimentos nacionais de luta para a libertação de Angola e pelos colonialistas portugueses para subjugar o povo, uns de fabrico artesanal, russo, italiano, americano e britânico.