Diferente do Mars One, os planos de Elon Musk e a sua SpaceX para chegar à marte estão dentro do cronograma e os testes de projecção vêm sendo bem-sucedidos nos últimos anos. Tanto que o próprio CEO está optimista com relação ao turismo no Planeta Vermelho e até mesmo vem pensando em quanto deva custar uma passagem até lá.

Esta semana, Musk respondeu a um tweet que perguntava "quais são os custos estimados de passagens para a Luz/Marte levando em conta a reusabilidade (dos foguetes)?". Ele respondeu: "depende muito do volume, mas tenho certeza de que se mudar para Marte custará menos de 500 mil e talvez até menos de 100 mil dólares. Valor baixo o suficiente para que a maioria das pessoas em economias avançadas possam vender as suas casas na Terra e se mudar para Marte se quiserem".

Embora essas cifras sejam altas para qualquer mortal comum, a estimativa de Musk fica bem "no preço de mercado". A Virgin Galactic planea voos comerciais no limite da atmosfera terrestre a 250 mil dólares, a Blue Origin também deve cobrar entre 200 e 300 mil dólares por um passeio cósmico e o hotel de luxo espacial Aurora Station conta com pacotes de 9,5 milhões por pessoa — a melhor notícia é que pelo menos com a SpaceX a volta seria de graça.

Viagens à parte, a Starship, bólido com desenho retrô e aço inoxidável, continua em desenvolvimento e já tem um protótipo com o motor Raptor, para decolagens e aterragens. Antes enviar um modelo desse para Marte, a SpaceX vai enviar um ao redor da Lua, com turistas à bordo, possivelmente em 2023. Enquanto isso, Musk segue insistindo que devemos nos mudar para o Planeta Vermelho — e que as chances dele fazer isso são de 70 por cento.